Menu
Busca quarta, 13 de novembro de 2019
PEDRO JUAN

Mais um é executado a tiros na fronteira, o terceiro em três dias

19 setembro 2019 - 16h00Por Campo Grande News

Homem até agora identificado como Adolfo Arce, o “Temerário”, foi executado por volta de 10h40 de hoje (19) em Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha de Ponta Porã (MS), a 323 km de Campo Grande. É o terceiro assassinato praticado por pistoleiros na cidade desde terça-feira.

De acordo com a polícia paraguaia, Adolfo foi morto a tiros de pistola 9 milímetros no meio da rua Juan Ignacio Valdez, perto de uma escola no bairro Obrero, na fração Santa Teresa. Os atiradores estavam de moto, assim como os autores das outras duas mortes ocorridas na cidade nas últimas 72 horas.

Pelo menos dez cápsulas deflagradas de pistola 9 milímetros foram recolhidas no local. Testemunhas afirmam que os atiradores pararam Adolfo no meio da rua e depois de breve conversa o carona sacou a arma e atirou dez vezes. A vítima tinha vários antecedentes criminais.

Ontem, o brasileiro Emerson Freitas de Oliveira, 45, foi executado com sete tiros de pistola 9 milímetros quando se preparava para entrar em um Toyota Corolla blindado, na Avenida Mariscal Lopez, centro de Pedro Juan Caballero.

Oriundo de São Paulo e empresário do ramo de entregas, Emerson foi apontado pela polícia paraguaia como um dos secretários do narcotraficante Jarvis Gimenes Pavão, atualmente recolhido no Presídio Federal de Mossoró (RN).

Na segunda-feira (16), o empresário Antônio Antun de Lima, 57, o “Toninho”, foi atacado por dois pistoleiros de moto quando chegava em sua empresa no lado paraguaio da fronteira e morreu horas depois.

Deixe seu Comentário

Leia Também

RIOS
PMA autua mais um exibicionista em R$ 2,9 mil por postar foto com dourado, peixe com pesca proibida
INTERNACIONAL
Secretário-geral da OEA diz que Evo Morales deu um autogolpe
GESTÃO
Secretaria de Administração vai leiloar 44 lotes de caminhões e maquinários agrícolas
POLÍCIA
Criminalidade em Mato Grosso do Sul e na Capital apresenta queda em 2019