Menu
Busca quinta, 04 de março de 2021
PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADOS - IPTU MARÇO - TRANSFORMANDO
REGIÃO

Polícia Militar Ambiental de Anaurilândia apreende 900 metros de redes de pesca e solta 10 kg de pescado no rio

07 outubro 2020 - 10h45Por PM-MS

Durante fiscalização no lago da usina Sérgio Motta no rio Paraná, Policiais Militares Ambientais do Grupamento de Anaurilândia abordaram cinco embarcações com 14 pescadores profissionais que pescavam dentro das normas. Além disso, foram fiscalizados três lances de redes de pesca armados, medindo em torno de 900 metros, devidamente identificados com o nome e registro do pescador profissional e as redes estavam dentro das normas de tamanho de malha e distância de cada lance.

Porém, durante os trabalhos, desde a madrugada, até início da noite de ontem (6), 22 redes de pesca armadas, medindo ao todo 900 metros, foram apreendidas, por não respeitarem tamanho de malha e não estarem identificadas. Os infratores não foram identificados. Durante a retirada dos petrechos, os policiais soltaram aproximadamente 10 kg de pescado que estavam presos às redes, porém, vivos.

O uso de petrechos proibidos do tipo redes de pesca é muito comum na região, pois, nos lagos das Usinas Hidrelétricas do rio Paraná, este petrecho é permitido para o pescador profissional, desde que identificado com placas com número do registro e com malha de tamanho a partir de 140 milímetros. Ocorre que muitos pescadores profissionais armam redes com malha menor à permitida e não identificam, além de pescadores amadores utilizarem estes petrechos sem previsão legal, o que caracteriza crime ambiental. Também armam redes emendadas, às vezes com mais de 2.000 metros como se fosse rede única, sendo que a legislação só permite no máximo 100 metros, localizadas, a pelo menos, 150 metros uma da outra.

Uma das preocupações da Polícia Militar Ambiental relativamente à pesca predatória é o uso desses tipos de petrechos proibidos com grande poder de depredação de cardumes como as redes de pesca, dessa forma, a PMA continuará com a fiscalização nos rios para evitar a pesca predatória, evitando que as pessoas armem os petrechos, ou pelo menos, fazer a retirada sem que tenha prejudicado os cardumes.

A manutenção da fiscalização e retirada destes petrechos precisam ser constantes, tendo em vista, a grande capacidade de captura e ocasionamento de mortes dos peixes, pois, os elementos armam o material pela madrugada e ficam somente conferindo, quando não observam presença da fiscalização, o que torna a prisão dos elementos que armam os petrechos ilegais muito difícil, devido ao pouco tempo que ficam nos rios.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Covid-19: Saúde avança em negociações com laboratórios para vacinas
Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility
DIREITOS HUMANOS
Instalada comissão para acompanhar chamamento público do Conselho Estadual da Criança e Adolescente
SAÚDE
Pesquisadores da UnB desenvolvem máscara que inativa coronavírus
Presente no equipamento, nanofilme de quitosana consegue barrar vírus