Menu
Busca sábado, 04 de julho de 2020

Promotora considera remota hipótese de mais envolvidos em morte de Marielly

Promotora considera remota hipótese de mais envolvidos em morte de Marielly

25 julho 2011 - 10h28Por Fonte: Campo Grande News
A promotora Paula Volpe solicitou quebra de sigilo telefônico de algumas pessoas que mantiveram contato com os presos no Caso Marielly, mas avalia como remota a participação de mais pessoas no crime.

A estudante Marielly Barbosa Rodrigues, de 19 anos, foi encontrada morta no dia 11 de junho em um canavial de Sidrolândia. Ela morava em Campo Grande e estava desaparecida desde 21 de maio.

No último dia 12 de julho, foram decretadas as prisões temporárias, válidas por 30 dias, do cunhado da jovem, Hugleice da Silva, e do enfermeiro Jodimar Ximenes Gomes, acusado de fazer o aborto mal sucedido que resultou na morte de Marielly.

De acordo com a promotora, as novas quebras de sigilo telefônico são para finalizar a investigação. Na última sexta-feira, foi divulgado que seriam investigados os colegas de trabalho da jovem e Hugleice.

Responsável pelo caso, o delegado Fabiano Nagata afirma que pretende finalizar o inquérito nesta semana. A polícia ainda aguarda resultado da perícia na caminhonete L-200 de Hugleice.

Nesta semana, um segundo veículo utilizado por ele será enviado para perícia. A busca é por vestígios de sangue. Depois de várias negativas, o cunhado confessou ter mantido relacionamento com Marielly, pago R$ 500 pelo aborto, levado a jovem até a casa de Jodimar, em Sidrolândia, e levado o corpo até o canavial.

Ele afirma que pode ser o pai, mas não confirma a paternidade. “Pelo fato de ter feito tudo isso, leva a crer que é o pai”, avalia o delegado. Apesar das confissões, Hugleice não sabe explicar como conseguiu uma caixa de fibra de vidro, tipo um caixão, para transportar o corpo até o canavial.

Preso em Sidrolândia, Jodimar segue jurando inocência. Advogado de defesa do enfermeiro, David Moura de Olindo relata que fez à justiça de Sidrolândia uma série de pedidos na tentativa de provar a inocência do suspeito.

“Pedi as imagens da câmera o aeroporto do dia do desaparecimento, exame psicológico da testemunha que diz ter visto a Marielly na casa do Jodimar”, afirma. A jovem teria sido vista chorando no banheiro do aeroporto,

Para ele, a estratégia da defesa de Hugleice é que ele seja denunciado por aborto seguido de morte e ocultação de cadáver. “Daria uma pena de seis anos. Que não é nem o começo de uma pena por homícidio”.

Conforme a promotora Paula Volpe, o MPE (Ministério Público Estadual) aguarda o fim do inquérito para avaliar se os acusados serão denunciados por homicídio ou aborto seguido de morte (pena de 2 a 8 anos), com ocultação de cadáver. A pena para homicídio doloso pode chegar a 30 anos.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CAMPO GRANDE
1ª Câmara Criminal nega recurso de condenado por usar CNH falsa
SAÚDE
Brasil passa da marca de 1,5 milhão de casos confirmados de covid-19
ESPORTE
Grande Prêmio do Brasil de F1 pode ser cancelado
COTAÇÃO
Dólar recua nesta sexta e fecha a R$ 5,31