Menu
Busca terça, 27 de outubro de 2020

Quadrilha suspeita de furtar gado no MS é desarticulada

27 abril 2016 - 11h00
Quadrilha especializada em furto de gado foi desmantelada pela Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras) e Polícia Civil de Ribas do Rio Pardo. Os oito integrantes foram presos levando 90 cabeças em fazenda na área rural daquele município.

Conforme o Correio do Estado, eles haviam invadido a Fazenda Santa Rita e usavam três caminhões boiadeiros para transportar os animais pela MS-357. Os motoristas dos veículos também tinham conhecimento do crime, segundo a Polícia Civil.

"Cada um deles tinha sua tarefa específica na ação desenvolvida, havendo o responsável pelo levantamento das propriedades cuja vigilância era vulnerável, também aqueles responsáveis pelo manejo do gado e ainda os chefes que controlavam tudo", detalhou a Polícia Civil, em nota.

Ainda conforme o portal, para interceptar os suspeitos, os policiais realizaram uma grande operação. A intenção do grupo era tentar driblar qualquer tipo de fiscalização, por isso atuava somente à noite. Para facilitar a localização do gado, eles agiam quando havia lua cheia, por isso ficaram conhecidos como os "bandidos da lua".

Segundo a investigação, o líder deles é Franter Lemos Maia, 40 anos. O apoio operacional era dado por Dilson Aparecida Almada, de 39 anos. Ambos já foram investigados por outros furtos de gado.

Completam a quadrilha Jairo Cesar Lacerda, de 54 anos, encarregado do levantamento das propriedades, Emerson de Souza Silva, de 38 anos, Sérgio Lima Dantas; e os irmãos Cícero José Faria, 44 anos, Marco Antonio de Faria, 33 anos, e Julio Cesar de Abreu dos Santos, 29 anos.

ESQUEMA

O trabalho de investigação identificou que os suspeitos pagavam até cinco vezes mais para os donos de caminhões para o transporte da carga furtada. No crime registrado na Fazenda Santa Rita, por exemplo, o gado iria para Água Clara, percorrendo em torno de 100 km. O destino final foi indicado como sendo Araçatuba (SP).

O frete normal sairia por R$ 1 mil, de acordo com a polícia, mas neste caso seriam pagos R$ 5 mil. "Ainda é investigado a participação de outras pessoas no crime, já que para viabilizar o transporte foram emitidos documentos ideologicamente falsos", informou nota.

Entre as falsificações estão guia de transporte animal (GTAs) e notas fiscais.

Os policiais civis apreenderam na operação três caminhões Mercedes Benz, uma motocicleta e uma Amarok. Essa caminhonete é de Franter Lemos Maia e fora apreendida em outros crimes sendo utilizada como "batedora" de caminhões.

Em depoimento, eles assumiram outros três furtos na região de Ribas do Rio Pardo, um ocorrido em 2015 e os demais neste ano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TJMS
Segunda etapa do Concurso da Magistratura começa no dia 31
DIREITOS HUMANOS
Comissão Estadual de Erradicação do Trabalho Escravo em MS abre edital para entidades
CRIME AMBIENTAL
Empresário é autuado em R$ 5,5 mil por construção de pousada e rancho pesqueiro degradando área protegida de matas ciliares do rio Taquari
CIDADES
SES orienta como se prevenir da Covid-19 durante visita aos cemitérios