Menu
Busca quinta, 21 de março de 2019
(67) 9.9973-5413
BANNER ÁGUA
DOURADOS

Vereador vira réu prestes a deixar cadeia acusado de destruir provas

13 março 2019 - 11h00Por Da Redação

O ex-presidente da Câmara de Dourados e atual vereador afastado Idenor Machado (PSBD), se tornou réu acusado de destruir provas durante a Operação Câmara Secreta. Em 2011, a operação desvendou um esquema criminoso envolvendo empréstimos consignados fraudulentos no Legislativo douradense.

Segundo o Campo Grande News, acusado de comandar um esquema milionário de cobrança de propina durante os seis anos que presidiu o Legislativo e preso na Operação Cifra Negra, Idenor deve ganhar liberdade ainda hoje (13/3), após passar um mês na PED (Penitenciária Estadual de Dourados).

O habeas corpus, estendido ao também vereador Pastor Cirilo Ramão (MDB), foi concedido ontem pela 1ª câmara criminal do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. O alvará de soltura foi assinado no fim da tarde pela desembargadora Elizabeth Anache.

Câmara Secreta

Em outubro de 2017, o promotor e Justiça Ricardo Rotunno entrou com ação civil pública pedindo a condenação de Idenor Machado por improbidade administrativa e ao pagamento de reparação por danos morais coletivos e multa somando R$ 669 mil.

Segundo a denúncia, enquanto presidente da Câmara em 2011, Idenor teria determinado a exclusão de dados do sistema mediante a utilização do software CCleaner, para impossibilitar o acesso do MP às informações que comprovariam a prática dos crimes apurados pela Operação Câmara Secreta.

Desencadeada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), a operação desmantelou o esquema fraudulento que envolvia vereadores e servidores do Legislativo douradense.

O golpe consistia em falsificar holerites para fazer empréstimos consignados que não eram pagos. O ex-presidente da Casa Sidlei Alves, o ex-vereador Junior Teixeira e servidores foram presos e condenados pelo crime.

Conforme a denúncia, agora transformada em ação na Justiça, após a prática ser descoberta, Idenor Machado teria determinado a exclusão de dados solicitados pelo MP dos sistemas de informação da Câmara, para dificultar a comprovação dos ilícitos. Idenor presidiu a Câmara de Dourados de 2011 até dezembro de 2016.

Em outubro de 2017, quando a denúncia foi apresentada, Idenor negou ter mandado destruir provas. Disse que sequer tinha assumido a vaga na Câmara quando os fatos vieram à tona.

A ação por improbidade administrativa tramita na 5ª Vara Cível de Dourados após o juiz Cesar de Souza Lima aceitar a denúncia, no dia 4 deste mês.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MUNDO DOS FAMOSOS
Luana Piovani esclarece separação com Scooby: "Nossas vontades estão distintas"
GERAL
Programa busca integrar usuários da assistência social ao mundo trabalho
POR CAUSA DA CHUVA
Imasul emite alerta de possibilidade de inundação no rio Miranda
21 DE MARÇO
Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial