Menu
Busca domingo, 09 de agosto de 2020

CPI da FUNAI ganha força na Câmara dos Deputados, diz Azambuja

13 setembro 2011 - 13h00
CPI da FUNAI ganha força na Câmara dos Deputados, diz Azambuja

Agazetanews

Deputados federais de vários partidos estão se mobilizando para criar na Câmara dos Deputados, em Brasília, uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar e apurar as ações da FUNAI (Fundação Nacional do Índio) em relação as demarcações de terras indígenas no Brasil.

As informações foram passadas pelo deputado federal Reinaldo Azambuja (PSDB) durante a abertura da 23ª Expobai, realizada na semana passada em Amambai.

Na região sul de Mato Grosso do Sul as ameaças de invasão de terras produtivas por parte de indígenas, que agem instigados pela FUNAI e ONGs (Organizações Não Governamentais) estrangeiras, segundo o deputado, vem causando insegurança jurídica a classe produtora e tensão no campo.

Sob o pretexto de retomadas de terras tradicionais indígenas, antropólogos, muitos deles ligados a FUNAI e a ONGs, acabam alimentando a esperança dos índios que, manipulados, invadem propriedades e geram até confrontos como já houve na região.

“Com essa CPI vamos chamar a FUNAI para dar explicações sobre toda essa situação que tem causado insegurança no campo e está se tornando uma séria ameaça para a produção do País”, disse Azambuja ao ressaltar que a idéia de se formar a Comissão Parlamentar de Inquérito tem ganhado cada vez mais adesão na Câmara dos Deputados.

Reinaldo Azambuja defende que a criação de novas aldeias parta do mesmo princípio aplicado aos agricultores sem-terra, ou seja, que o Governo Federal desaproprie e indenize os proprietários de terras, fator que hoje não ocorre quando se trata de questões indígenas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO
Mulher foragida da Justiça acaba presa em Aparecida do Taboado
SAÚDE
Transporte em tempos de coronavírus é tema do Caminhos da Reportagem
ESPORTES
Max Verstappen estraga festa da Mercedes e vence GP dos 70 anos da F1
GERAL
Missa no Rio homenageia os mais de 100 mil mortos por covid-19