Menu
Busca domingo, 20 de setembro de 2020

Título Interno

19 agosto 2011 - 08h03
Agência Brasil


A crise econômica internacional que afeta mais fortemente os Estados Unidos, a Europa e o Japão, “pode ser uma oportunidade para mudar intensamente a política monetária” brasileira, a começar por uma “redução sensível” da taxa básica de juros (Selic), de acordo com o coordenador de Finanças Públicas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Claudio Hamilton. A análise consta de comunicado divulgado hoje (18) pelo Ipea.

Segundo ele, o Brasil tem mais condições para enfrentar a instabilidade mundial do que a maioria dos países, mas deveria redirecionar a economia nacional para “além das rendas financeiras”, de modo a impulsionar a produção. Hamilton avalia que o país não pode permitir a erosão das reservas, hoje avaliadas em US$ 352,375 bilhões, nem a recessão, que pode trazer desemprego e corte de aumentos reais dos salários.

Com o aumento das incertezas no mercado internacional, devido à intensificação da crise, Hamilton enfatizou que aumenta a necessidade de ações mais fortes para estimular a competitividade da indústria brasileira, prejudicada pela desvalorização cambial, que torna muitos produtos importados mais baratos que os nacionais.

O coordenador de Finanças Públicas do Ipea avalia ainda que, com as contas públicas sob controle e os grandes bancos funcionando em bases sólidas, sem interrupção dos canais de crédito, a economia brasileira tenha condições de enfrentar os efeitos da atual crise econômica com mais tranquilidade do que ocorreu em 2008, quando a crise financeira mundial foi deflagrada.

O economista ressalta que é provável o fim do ciclo de aperto monetário, como sinalizou o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), em sua última ata, em julho. Além disso, Hamilton destaca como outro fator que pode favorecer a redução dos juros o recrudescimento da crise econômica nos países desenvolvidos, que reduz o ritmo de crescimento da atividade produtiva lá fora e do aumento da inflação no país.

Ele observou ainda que a China, Índia e o Brasil “parecem estar fora do cenário de crise” e os mercados futuros indicam queda dos juros.

Deixe seu Comentário

Leia Também

INTERNACIONAL
Museu sobre acidente nuclear de Fukushima abre suas portas
INTERNACIONAL
Protestos contra monarquia ganham força na Tailândia
CAMPO GRANDE
Homem tenta fugir, mas acaba preso com tabletes de maconha em mochila
NATUREZA
As histórias por trás de 3 fotos dos incêndios no Pantanal que viralizaram