Menu
Busca quinta, 06 de agosto de 2020

Deputados acompanham investigações sobre a morte de juíza no Rio

02 setembro 2011 - 13h30
Deputados da Comissão de Segurança da Câmara acompanham investigações sobre a morte de juíza no Rio

Agência Brasil

Integrantes da Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado da Câmara dos Deputados estão no Rio de Janeiro para acompanhar as investigações sobre a morte da juíza criminal Patrícia Acioli, ocorrida no dia 12 de agosto. Ela sofreu uma emboscada quando chegava na casa onde morava, no bairro de Piratininga, região oceânica de Niterói.

A juíza era titular da 4ª. Vara Criminal de São Gonçalo, na região metropolitana, onde já tinha condenado diversos policiais envolvidos com a milícia na região e donos de vans de transporte irregular de passageiros.

Pela manhã, os parlamentares tiveram um encontro com parentes de Patrícia Acioli, no escritório do advogado da família, Técio Lins e Silva. Em seguida foram recebidos pelo presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, Manoel Alberto Rebelo dos Santos.

Na parte da tarde, os membros da comissão estiveram com o presidente da Associação dos Magistrados do Rio de Janeiro, Antônio César Siqueira. De acordo com o deputado Mendonça Prado (DEM-SE), presidente da comissão, foram colhidos subsídios suficientes para elaborar futuras propostas de proteção aos juízes.

“Nós temos uma série de sugestões. Agora, vamos discutir também com o Conselho Nacional de Justiça (CNJ),e com o Conselho do Ministério Público. Mas não podemos a priore apresentar uma ideia sem uma discussão mais apropriada”, disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Agentes prisionais tiveram saúde mental abalada na pandemia
Pesquisa mostra que tensão entre os presos é um dos motivos
SAÚDE
MP destina R$ 1,99 bilhão para viabilizar vacina contra covid-19
TRÊS LAGOAS
Polícia Militar Ambiental captura jiboia em condomínio
NOTÍCIAS
Paraguai prevê reabertura de lojas da fronteira em setembro
Ministro de Relações Exteriores diz que conversa está avançada com governo brasileiro