Menu
Busca terça, 26 de março de 2019
(67) 9.9973-5413
PI SANESUL
POLÍTICA

Escolha de Tereza Cristina para Ministério da Agricultura é elogiada por deputados

08 novembro 2018 - 14h22Por Da redação

Os deputados estaduais enalteceram a escolha do nome da deputada federal Tereza Cristina (DEM) para ocupar o cargo de ministra da Agricultura, na futura gestão do eleito presidente Jair Bolsonaro (PSL). A parlamentar, reeleita para a bancada federal por Mato Grosso do Sul, já foi secretária de Desenvolvimento Agrário da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo no Estado e lidera o movimento ruralista no Congresso.

De acordo com o Dourados News, Zé Teixeira (DEM) foi o primeiro a ocupar a tribuna da Assembleia Legislativa durante a sessão desta quinta-feira (8/11), para parabenizar a nova ministra anunciada ontem. “Inteligente e capacitada, foi uma ótima secretária aqui, enfrentou a febre aftosa, sabe das demandas do agronegócio, fiquei muito feliz”, ressaltou.

O deputado Marcio Fernandes (MDB), que é médico veterinário, relembrou quando trabalhou com Tereza Cristina. “Fui estagiário dela e sei da sua competência e honestidade há muito tempo. Tenho certeza que fará um ótimo trabalho”, disse. Barbosinha (DEM) completou. “Também tive o privilégio de compartilhar momentos com ela, no trabalho político em dois partidos e sei que é uma das mais influentes do setor do agronegócio. Com esse anúncio alvissareiro, abre uma nova vaga na Câmara Federal para o deputado Geraldo Resende [PSDB], que representará a região de Dourados”.

Tereza Cristina é a primeira mulher a ser chamada para compor o primeiro escalão do novo governo. “Ela nos representará muito bem, me senti contemplada como mulher por tê-la no Ministério da Agricultura, a primeira nesta pasta. É um nome de expressão, por onde passou deixou sua marca e tenho certeza que será importante para àqueles que produzem e movem economicamente esse país”, disse a deputada Mara Caseiro (PSDB).

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi (MDB) também usou a fala em aparte. “Ela já teve experiência no Poder Executivo e demonstrou competência ao administrar o dinheiro público por oito anos. Tenho certeza que vai melhorar e atender o setor”, avaliou. Enelvo Felini (PSDB) assegurou que ela fará o melhor para todas as demandas. “Não só ao grande produtor, mas ao pequeno e à agricultura familiar. Aqui no Mato Grosso do Sul ela atendeu mais de 28 mil famílias assentadas pela a Reforma Agrária e sei que fará muito por todo o Brasil”, afirmou.

O desafio da deputada federal na liderança da bancada rural no Congresso Nacional foi destacado pelo deputado Paulo Corrêa (PSDB). “A Tereza começou no sindicato rural e hoje lidera uma frente parlamentar no Congresso com 260 membros, articulando com diferentes partidos de forma competente. Não causa espanto essa indicação, ela será uma grande ministra”, enfatizou.

Já o deputado Lidio Lopes (PATRI) ressaltou a expressão que a bancada de Mato Grosso do Sul tem conquistado no cenário nacional. “A indicação dela é um orgulho para o Mato Grosso do Sul, que hoje tem uma das melhores bancadas federais e tem sido prestigiado pelos governos federais. Nosso Estado é pequeno em relação à quantidade do eleitorado nacional, mas bem representado na competência. Orgulhoso por ser de MS nesse momento”, afirmou.

O deputado Herculano Borges (SD) falou sobre a importância da futura ministra para o trâmite de projetos. “É fundamental termos pessoas de nosso Estado com esse grau de influência, como o de ministra. Isso facilita a tramitação das matérias da pasta e MS vai ter um olhar diferenciado com essa indicação”. Outro parlamentar que reforçou a influência de Tereza Cristina foi o deputado Maurício Picarelli (PSDB). “Ela tem um trânsito no Congresso Nacional como poucos. Será para nós, sul-mato-grossenses, uma satisfação tê-la como ministra tendo em vista sermos um Estado essencialmente agropecuário”.

Segundo o líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Professor Rinaldo (PSDB), a futura ministra tem conhecimento para o novo cargo. “Ela não ostenta o conhecimento que tem, mas sabe muito desse setor que tem feito a diferença e que conta a liderança da Tereza, pois foi o único PIB [Produto Interno Bruto] que cresceu no país”, finalizou. 

Conflitos pela terra

Um das demandas que Tereza Cristina deverá trabalhar será pelo fim dos conflitos pela terra, ponderou o deputado Zé Teixeira, que também é produtor rural. Enquanto discursou na tribuna, ele ainda criticou cobertura da imprensa quanto ao trabalho da Comissão Interamericana de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) em visitas a terras disputadas por indígenas, a convite do Governo Federal.

“Só vi reportagens enaltecendo as visitas, mas sem ouvir o lado dos fazendeiros que também se sentem ameaçados. São pessoas de outros países que não sabem a realidade do que acontece aqui. Até hoje não vimos solução para os conflitos e espero que o novo governo o faça”, declarou o deputado. Mara Caseiro concordou. “Esperamos que acabem essas distorções do que ocorre no campo e também as manipulações que incentivam as invasões”, finalizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Saúde de Ponta Porã recebe nova ambulância do Samu e mais dois veículos
EMPREGO
Comércio em Ponta Porã encerra fevereiro com variação de 106 postos de trabalho
NOVA POLÊMICA
Bolsonaro determina que 'golpe de 64' tenha 'comemorações devidas'
ECONOMIA
País cria 173 mil empregos, maior resultado para fevereiro desde 2014