Menu
Busca quarta, 27 de janeiro de 2021

Marçal vai ao governo federal garantir ferrovia para a grande Dourados

Marçal vai ao governo federal garantir ferrovia para a grande Dourados

26 abril 2012 - 14h40
Divulgação


O paralmentar esteve Valec-Engenharia, Construções e Ferrovias, para defender a inclusão da região de Dourados no ramal da Ferroeste BRASÍLIA- O deputado federal Marçal Filho (PMDB) esteve na manhã de hoje (25) com alguns parlamentares, o governador André Puccinelli (PMDB) e o presidente da Valec-Engenharia, Construções e Ferrovias S.A., José Eduardo Castello Branco, em Brasília, para discutir a respeito do traçado da ferrovia que passaria por Dourados, Maracajú, até Porto Paranaguá (PR).

Segundo o deputado este trecho que contemplaria a grande Dourados já estava fora do projeto e graças à presença dos representantes do Mato Grosso do Sul a Valec se comprometeu a realizar novos estudos para redimensionar o traçado. “Expliquei para o presidente a importância da grande Dourados, já que a região representa a economia do estado com a maior produção de grãos e etanol. A ferrovia é fundamental para o escoamento da produção e para a viabilidade econômica do frete, com a disponibilidade do transporte mais barato que existe hoje no mercado”, declarou Marçal Filho.

O edital n° 006/2011, publicado no Diário Oficial da União no dia 1 de abril, previa a execução de estudos pela Valec Engenharia compreendendo uma extensão de pelo menos 1116 quilômetros entre Maracajú e Paranaguá. Segundo o parlamentar é indispensável ficar atento a esta questão “Vou continuar acompanhando de perto os estudos e novas etapas do projeto, temos que garantir que a nossa região seja beneficiada com esta obra, para isso contamos com o apoio, não apenas do governo do estado, mas também das demais autoridades locais”, explicou.

O ramal da chamada Ferroeste permitirá que a produção de álcool e açúcar de Mato Grosso do Sul, bem como os grãos, carnes e até o minério encontrem no Porto Paranaguá uma porta a mais para a exportação. O ramal prevê a captação de 8,7 milhões de toneladas por ano de cargas, numa região que movimenta 33 milhões de toneladas por ano, ou seja, a obra se pagará em 20 anos.

Somente em pedágios – considerando cargas de 10 milhões de toneladas anuais – a economia anual para os produtores será de R$ 137 milhões, de forma que em 20 anos a economia atingirá a impressionante soma de R$ 2,7 bilhões. Estudos da Ferroeste revelam que só com a economia em pedágio, os sete anos seguintes ao fim do ramal Maracajú/Porto Paranaguá seriam suficientes para pagar a ferrovia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

FINANÇAS
Prorrogado, Refis da pandemia segue com superdescontos até o dia 26 de fevereiro
GERAL
Processo Seletivo da UEMS abre inscrições para 1052 vagas
JUSTIÇA
Incêndio na boate Kiss completa oito anos sem julgamento dos réus
EDUCAÇÃO
Inep divulga hoje gabarito oficial do Enem 2020