Menu
Busca quinta, 06 de agosto de 2020

Presença do exército dará mais segurança à fronteira afirmou Marçal Filho

24 setembro 2011 - 07h30
Deputado esteve presente na reunião com Comando Militar do Oeste que anunciou a Operação Ágata em MS


Divulgação (TP)


O deputado federal Marçal Filho (PMDB) afirma que a presença do Exército Brasileiro, através da Operação Ágata II, trará mais segurança à faixa de fronteira do Mato Grosso do Sul. O parlamentar esteve recentemente reunido com o Comando Militar do Oeste (CMO), em Campo Grande, integrando a comitiva da Comissão Especial de Política sobre Drogas da Câmara dos Deputados, presidida pelo Deputado Reginaldo Lopes (PT/MG) e composta por Deputados Federais de vários Estados do País. Na oportunidade o grupo, a pedido da presidenta Dilma Rousseff, tratou com o General João Francisco Ferreira, do Comando Militar do Oeste responsável pelas regiões de MS e MT, sobre as primeiras medidas a serem tomadas dentro Plano Estratégico de Fronteiras, dentre elas a implantação da Operação Ágata, que foi desencadeada no último dia 16, no Estado.

A segurança nas regiões de fronteira seca de Mato Grosso do Sul, é uma bandeira antiga do deputado Marçal Filho, que desde que presidiu a Comissão de Criação do Ministério da Defesa, há mais de 12 anos, vem insistindo na proteção das áreas de fronteira seca e no combate ao tráfico de drogas através da integração das forças de segurança públicas e do Exército Brasileiro.

"O que acontece hoje, com a integração das Forças Armadas com as demais forças de segurança como a Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Militar (PM), Polícia Civil e Força Nacional de Segurança, já era uma antiga cobrança. Quando participei da reunião no Comando Militar do Oeste, aproveitei o encontro para apresentar ao general João Francisco Ferreira, as reivindicações que entendo como necessárias para melhorar a segurança ao longo da fronteira de Mato Grosso do Sul com o Paraguai e com a Bolívia", enfatizou o parlamentar.

Na Câmara Federal, Marçal por muitas vezes usou a tribuna para alertar sobre a importância do Plano Estratégico de Fronteiras no combate ao tráfico de maconha e, principalmente, da cocaína.

Como membro titular do Parlamento do Mercosul, o deputado também enfatizou a necessidade de integração dos países do Mercado Comum do Sul nas políticas de segurança nas faixas de fronteira. "Não adianta apenas o governo brasileiro fazer sua parte na fronteira, se, por exemplo, o governo boliviano não fizer o mesmo para atacar a produção de folha de coca e o governo paraguaio não conter as plantações de maconha em suas terras, ainda que o Brasil precise ajudar esses países a atingir essas metas", observa o parlamentar.

Na condição de membro titular da Comissão de Orçamento da Câmara dos Deputados, Marçal Filho assumiu o compromisso de trabalhar para assegurar recursos necessários para fazer o Plano Estratégico de Fronteiras ganhar força. "Assumi o compromisso de trabalhar para garantir a efetivação do Sistema Integrado de Monitoramento das Fronteiras (Sifron), que dá ao Exército Brasileiro uma condição privilegiada de vigiar toda extensão das fronteiras e, com isso, conter a ação das quadrilhas que atuam nessas regiões", argumenta o deputado.

Na época o general João Francisco Ferreira já havia antecipado ao parlamentar que os regimentos do Exército em Mato Grosso do Sul iriam desencadear a Operação Ágata, que vem sendo realizada em parceria com as demais forças de segurança do Estado e que será permanente. "A melhor notícia que o comandante do CMO deu foi a de que o Ministério da Defesa e o Ministério da Justiça trariam para o Mato Grosso do Sul a Operação Ágata, uma ação conjunta das Forças Armadas com as demais polícias com o objetivo exclusivo de atacar o tráfico de drogas e demais crimes fronteiriços", lembrou Marçal Filho.

O deputado finaliza salientando que todas essas ações integradas só estão sendo possíveis porque a presidente Dilma Rousseff foi sensível à problemática das drogas e da vulnerabilidade das fronteiras e editando o Decreto 9.496 que criou o Plano Estratégico de Fronteiras. "Esse decreto é fundamental para a segurança de Mato Grosso do Sul, principalmente nas regiões que fazem divisa com o Paraguai e a Bolívia", comenta. "Não é de hoje que tenho alertado para a falta de vigilância nas fronteiras brasileiras, sobretudo ao longo do mais de 1.300 quilômetros que separam o Mato Grosso do Sul dos nossos vizinhos paraguaios e bolivianos", finaliza.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOTÍCIAS
Paraguai prevê reabertura de lojas da fronteira em setembro
Ministro de Relações Exteriores diz que conversa está avançada com governo brasileiro
ECONOMIA
Captação da poupança bate recorde para meses de julho
Depósitos superaram saques em R$ 27,14 bilhões no mês passado
SAÚDE
Diretor do Instituto Butantan defende confiabilidade de vacina chinesa
NOTÍCIAS
Ex-companheiro que permaneceu no imóvel do casal deve pagar aluguéis