Menu
Busca sábado, 27 de fevereiro de 2021

Resgatado para superintendência, Cestari quer “colocar o Incra de pé”

30 agosto 2011 - 17h20
Resgatado para superintendência, Cestari quer “colocar o Incra de pé”

Campograndenews

Fez efeito a série de protestos dos movimentos dos sem-terra de Mato Grosso do Sul na semana passada para exigir a nomeação de um novo superintendente para o Incra (Instituto de Colonização e Reforma Agrária). O advogado Celso Cestari, procurador aposentado do órgão, e ex-superintendente em duas ocasiões, foi nomeado ontem e deve assumir até o fim desta semana.

Cestari assume o Incra em um período de crise, com o processo de reforma agrária paralisado no Estado, em razão de uma decisão judicial que, em setembro do ano passado, afastou o então superintendente Waldir Cipriano, substituído por um interino, Manuel Furtado Neves, que ficou no cargo até agora.

Em entrevista ao Campo Grande News, Cestari disse hoje que sua missão principal é “colocar o Incra de pé”. Ele informou que vai assumir o cargo só depois de conversar com o presidente do Incra, Celso Lisboa de Lacerda, de quem recebeu o convite para ocupar a superintendência do Incra.

O novo superintendente assume com o apoio da maior parte dos movimentos que representam sem-terra acampados e assentados no Estado. Ele disse que, justamente por isso, pretende chamar, de imediato, os representantes para explicar suas intenções e seus planos para o Incra.

Outra pretensão de Cestari é, segundo disse, resgatar a autoestima dos funcionários, após um período tão grande de crise de notícias negativas sobre o trabalho do órgão.

Para Cestari, o órgão vive hoje uma situação “complexa e grave”, fruto de decisões que classificou de “desastrosas” na gestão do Instituto no Estado.

Sem filiação partidária, o superintendente diz que quer “pairar acima” das questões políticas.

Ao comentar como pretende estabelecer sua relação com o Governo do Estado, disse que pretende inserir o programa de reforma agrária no programa de desenvolvimento de Mato Grosso do Sul. A intenção, segundo Cestari, parte da convicção de que os assentamentos poderiam estar contribuindo muito mais do que estão para o crescimento econômico do Estado.

Cestari trabalhou durante mais de 30 anos no Incra e se aposentou no ano passado. Ele foi superintendente no início de carreira e durante o Governo Lula.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Satélite brasileiro será lançado na madrugada deste domingo
PARANAÍBA
Polícia Militar tira de circulação mais um casal traficante de drogas
LEGISLATIVO
Deputado Neno Razuk solicita verbas para recapeamento de trecho da MS-487
REGIÃO
PMA autua infrator por construção de dreno poluindo córrego e por manter gado degradando margens