Menu
Busca quinta, 24 de maio de 2018
(67) 9.9973-5413
MIDANÇA NO FORO

STF baixa para MS denúncia de caixa 2 contra Vander

O inquérito 4417 foi protocolado em 14 de março de 2017 a partir de delação premiada de executivo da Odebrecht

16 maio 2018 - 16h15Por Da redação

Com a mudança sobre o foro privilegiado, o STF (Supremo Tribunal Federal) baixou para o TRE/MS (Tribunal Regional Eleitoral), o inquérito contra o deputado federal Vander Loubet (PT). A determinação é do ministro Celso de Mello.

O inquérito 4417 foi protocolado em 14 de março de 2017 a partir de delação premiada de executivo da Odebrecht. Segundo o Ministério Público Federal, o executivo Alexandrino de Alencar relatou a ocorrência de “caixa 2”, tecnicamente chamado de vantagem não contabilizada, na campanha de Vander Loubet a deputado federal em 2010.

Matéria do Campo Grande News aponta que o delator denuncia o repasse de R$ 50 mil por intermédio do Setor de Operações Estruturadas do Grupo Odebrecht, montado para pagamento de propina. Conforme o inquérito, Vander Loubet confirmou ter recebido doação eleitoral pleiteada a Alexandrino de Alencar, alegando, no entanto, que o recebimento se deu por intermédio do diretório estadual do Partido dos Trabalhadores, e que a declarou.

“Não obstante essas alegações, o deputado Vander Loubet não logrou explicar a razão de a Odebrecht ter uma tabela contendo codinomes e valores, se a doação foi oficial”.

No dia 9 de maio, o ministro Celso de Mello determinou à remessa ao TRE a partir da nova interpretação da prerrogativa de foro para deputados federais e senadores. Com o novo entendimento, definido em julgamento no dia 3 de maio, “o foro por prerrogativa de função aplica-se apenas aos crimes cometidos durante o exercício do cargo e relacionados às
funções desempenhadas”. 

O que diz o deputado

Em nota enviada à redação do site, Vander Louber disse que as acusações são inverídicas e não procedem.

"Os recursos recebidos pela minha campanha foram contabilizados como determina a legislação. Minha prestação de contas foi aprovada pela Justiça Eleitoral", afirma o deputado. "Ou seja, todas as doações foram oficializadas de acordo com o que versa a lei, de maneira que não recebi recursos não contabilizados", conclui.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CULTURA
Brô MCs se apresenta no Festival da América do Sul
GERAL
Em aúdio vazado, ministros do STF criticam greve durante sessão
COTAÇÃO
Dólar interrompe sequência de três quedas e fecha em alta nesta quinta-feira, a R$ 3,64
PONTA PORÃ
40kg de maconha são apreendidos em veículo Ford/Focus