Menu
Busca domingo, 16 de junho de 2019
DO CAMPO

Área dedicada à soja cresce mais de 20% na região da Capital

18 maio 2019 - 12h00Por Da Redação com informações do Famasul

A área cultivada com soja na região de Campo Grande cresceu 21,2% na última safra. Os dados da Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul), mostram que na safra 2017/18 a área era de 64 mil hectares e subiu para 78 mil em 2018/19, o que mostra mais adesão à atividade.

No município de Jaraguari, próximo a Campo Grande, o produtor Ary Oshiro Junior faz integração lavoura-pecuária na Fazenda Pombal e aumentou em 13,4% a área plantada nas últimas duas safras de soja, passando de 520 hectares para 590 hectares. A previsão é chegar a 660 hectares de área plantada da safra 2019/20.

Na safra 18/19, Oshiro colheu 60 sacas/hectare, mas espera aumento na produção da próxima safra, retomando resultados dos últimos anos. Em relação ao milho safrinha, 2018 foi um ano abaixo da média, com 70 sc/ha em 270 ha, já na safra atual a expectativa é colher 120 sc/ha devido a boa ocorrência de chuvas.

Pecuarista, o produtor iniciou o cultivo de grãos na tentativa de aumentar a produtividade da fazenda, por meio da integração lavoura-pecuária. “Comecei a plantar soja há cinco anos para baratear a pecuária e tem dado muito certo. Hoje para se ter bons resultados com boi a melhor forma é integrar com os grãos”, afirma Oshiro.

A integração lavoura-pecuária gera vários benefícios para o produtor, como explica a Analista Técnica do Sistema Famasul, Tamíris Azoia. “No final do ciclo do pasto a palha deixada serve de cobertura para o solo, favorecendo o plantio direto, com vários ganhos, como o incremento de matéria orgânica, auxílio na supressão de plantas daninhas e estruturação do solo. Pesquisas também indicam diminuição na incidência de alguns fungos e nematoides a depender das espécies cultivadas”.

O ciclo inverso também é benéfico, já que a lavoura contribui para a qualidade do solo. “A gramínea se vale do residual da lavoura, em geral, um solo fértil e corrigido, e então, produz matéria seca mais rápido e com boa produtividade. No geral, a integração promove a biodiversidade da propriedade, que diminui problemas erosivos, o uso de defensivos agrícolas e os custos de produção, além disso, o produtor melhora o fluxo de caixa com a diversificação de sua renda”, destaca Tamíris.

Deixe seu Comentário

Leia Também

DOURADOS
Com apoio de professores, estudantes marcham até UFGD e ocupam reitoria
NAVIRAÍ
Agentes brigam dentro de penitenciária por discordarem de ordens da diretoria
POLÍTICA
Moro diz que pode ter cometido um "descuido formal"
POLÍCIA
Homem tenta matar esposa após denúncia por agressão