Menu
Busca quarta, 16 de janeiro de 2019
(67) 9.9973-5413
INSTITUCIONAL TOPO
MS

Cores em múltiplas inspirações: Marco abre 4ª Temporada de Exposições

03 janeiro 2019 - 10h30Por Da redação

Múltiplas e coloridas inspirações marcam a Quarta Temporada de Exposições do Museu de Arte Contemporânea (Marco), da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul (FCMS). Apostando em colagens e pinturas, as quatro mostras serão inauguradas dia 16 de janeiro, a partir das 19h30. A entrada é franca.

Em comum, as mostras desta Temporada compartilham traços nítidos e o colorido das formas: Para achar o azul do céu eu uso pássaros, (obras do acervo do Marco produzidas por Jorapimo); Papier Découpé (In memorian) – colagens da artista Maria Eduarda Shakesheave (MS); Re-Posições – pinturas do artista Ismael Oliveira (SP) e O que vejo da janela do meu quintal – aquarelas da artista Lu Sant”Anna.

“Para achar o azul do céu eu uso pássaros” é uma mostra com obras do acervo do Marco produzidas por José Ramão Pinto de Moraes, o Jorapimo (1937-2009), um dos pioneiros das artes plásticas modernas do nosso Estado. As telas abusam das cores de exuberantes paisagens naturais e da riqueza do povo simples representados em espatuladas precisas e carregadas de poesia.

Em Artes Plásticas no Centro Oeste, a crítica de arte Aline Figueiredo avalia o valor do trabalho do artista: “Jorapimo foi o introdutor da pintura moderna em Corumbá. Quando o conheci, em 1965, ele já fazia uma pintura expressionista, de colorido vibrante, amplas superfícies de cores chapadas, cujas texturas dos golpes de espátula constituíam então a sua novidade. Pinta há mais de 20 anos e sempre foi um entusiasta, um pioneiro agindo sozinho e contribuindo para incrementar a arte corumbaense. É presença importante na vida cultural da cidade. Sua pintura é estável, focalizando Corumbá e sua ambiência pantaneira. Nela estão presentes o homem, a fauna, a flora, a terra e a água. Pinta também, com nostalgia, casarios do porto de Corumbá, barcas e pescadores. E é quando focaliza os camalotes, planta aquática que domina as vazantes e corixos pantaneiros, que Jorapimo consegue extravasar com mais emoção o amor a sua terra.”

“Papier Découpé” ou simplesmente corte do papel reúne imagens pintadas e recortadas de revistas por Maria Eduarda Shakesheave. A série de colagens reúne os últimos trabalhos da artista e apresenta facetas de uma personalidade complexa e profunda em busca de uma estética própria, do ser e estar no mundo, da racionalidade, do papel da mulher na sociedade.

A mostra revela traços de eudemonia, palavra de origem grega que significa busca pela felicidade por meio da vida ativa, que no fazer artístico da artista se traduz em sua sede por conhecimento. “Sua mente não encontrou limites, simplesmente porque não os tinha, não se esgotava”, avalia a curadora e crítica de arte Cláudi Rossi.

As colagens de Maria Eduarda Shakesheave são mergulhos nas profundezas das relações humanas em que a artista nos convida a fazer a fim de buscar aquilo que se perdeu.

Em “Re-Posições”, Ismael Oliveira apresenta telas que vislumbram a magia do existir, a descoberta de novos rumos, o frescor da natureza, as elucubrações arquitetônicas, a musicalidade perene das cores. As obras fazem do observador um elemento essencial, aglutinador de sensações na ampla gama de referências existentes em cada detalhe.

As transparências, os efeitos da luz, os ambientes propostos, os personagens que surgem, os seres misteriosos que habitam o inconsciente coletivo são algumas das características do seu labor, se aprofundando na atemporalidade das circunstancias, questionando regras comportamentais impostas por uma sociedade hipócrita.

Nos guaches, Ismael representa o alto nível das sutilezas transpostas para um clima mais intimista, revelando rumos em nostálgicas ambiências, perscrutando no fluxo das cores a poética de um momento único.

As aquarelas da mostra “O que vejo da janela do meu quintal”, de Lu Sant”Anna, refletem a cultura nativa, a fauna e a flora do Estado do Pará. No quintal da artista, onde ela vive como canoeira, rio, natureza, fauna, flora, os ribeirinhos e os amigos canoeiros são inspiração.

Munida de preciso domínio e efeitos visuais, como toques orientais e outros reconhecidos por seus apreciadores, Lu Sant”Anna apresenta suas aquarelas em duas categorias: flores (strelitzias, orquídeas, copo de leite, lotus e água-pés, e pássaros (sanhaços, garças, sabiás, colibri, japiins).

A artista viaja através de múltiplas técnicas e nos mostra seu caminho pelas aquarelas. Diante dos traços sensíveis e angulosos de suas obras, apropriadas pela cor, ora sútil, ora vibrante, a artista se experimenta e apresenta seu jardim interior, cores, flores e pássaros, que habitam às janelas de seu quintal.

A 4ª Temporada de Exposições, que de acordo com edital seria inaugurada ainda em 2018, teve de ser adiada para janeiro de 2019 em função de determinações legais da Justiça Eleitoral, que suspendeu a abertura e a divulgação de algumas ações desenvolvidas pelos órgãos estaduais e vinculados entre julho e outubro.

Serviço

A 4ª Temporada de Exposições do Marco fica aberta ao público de 17 de janeiro a 3 de março de 2019, sempre com entrada franca.

O Museu fica na rua Antônio Maria Coelho, 6000, no Parque das Nações Indígenas. As visitações podem ser feitas de terça a sexta, das 7h30 às 17h30. Sábados, domingos e feriados das 14h às 18h.

Para mais informações e agendamento com escolas para realização de visitas mediadas com as arte educadoras do Programa Educativo, basta ligar no telefone (67) 3326-7449.

Visite o site, a nossa página no facebook ou envie e-mail: (marco@fcms.ms.gov.br).

Deixe seu Comentário

Leia Também

BIG BROTHER BRASIL
BBB19 começa hoje: teóricos analisam perfil 'polarizado' de candidatos
ECONOMIA
Dólar tem leve alta e fecha terça-feira cotado a R$ 3,72
GERAL
Justiça de Portugal arquiva extradição de investigado na Lava Jato
HOMICÍDIO
Homem é executado a tiros na fronteira