Menu
Busca quarta, 21 de outubro de 2020

Exército intensifica fiscalização de explosivos em sete municípios de MS

31 março 2016 - 09h30Por G1
O Exército Brasileiro realiza nesta quarta-feira (30) o segundo dia da fiscalização de explosivos em Mato Grosso do Sul. A operação foi intensificada em sete municípios do estado e começou na terça-feira (29). Os trabalhos são para garantir a segurança dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos que serão realizados neste ano no Rio de Janeiro.

Batizada de Rastilho 2, a operação esta sendo realizada em 12 estados e no distrito federal. Em Mato Grosso do Sul, a fiscalização se concentra nos municípios de Costa Rica, Brasilândia, Terenos, Sidrolândia, Paranaíba, Três Lagoas e Aparecida do Taboado.
Participam da operação 200 agentes de segurança, especialistas em explosivos, além de militares do Exército. A fiscalização quer reforçar os trabalhos em locais onde são produzidos, comercializados e distribuídos explosivos. Visam também combater o desvio e uso desses materiais por pessoas não autorizadas.

Os municípios onde a fiscalização está sendo intensificada foram selecionados considerando a presença de empresas que usam explosivos em suas atividades, e onde já ocorreram explosões irregulares, como atentados a caixas eletrônicos que foram explodidos por ladrões.

Para que empresas utilizem explosivos é necessário fazer cadastro no Exército e obter o certificado de registro. O documento tem validade de 2 anos. Autorização é emitida em cerca de 60 dias. Em Mato Grosso do Sul, 490 empresas declaram usar explosivos nas atividades. Entre elas estão mineradoras, construtoras e outros empreendimentos que fazem investigação no solo.

Operação

Os trabalhos, que começaram na terça-feira, serão desenvolvidos em três dias, podendo estender conforme a necessidade, de acordo com a assessoria de imprensa do Comando Militar do Oeste (CMO). A operação também ocorre em outros estados, sob a coordenação geral da Diretoria de Fiscalização e Produtos Controlados (DFPC) do Exército.

Empresa, em toda a cadeia produtiva (produção, transporte, utilização, comércio, etc), serão fiscalizadas e com a possibilidade de serem autuadas.

Na terça-feira, houve apreensões. O material será destruído nos próximos dias, conforme a assessoria, possivelmente em Aquidauana. A exceção somente vale para materiais que não podem ser armazenados. Para este crime, as penas variam de advertência até uma possível cassação do registro de funcionamento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
IBGE: obesidade mais do que dobra na população com mais de 20 anos
CIDADES
MS Digital simplifica a vida do cidadão e denúncias no Procon podem ser feitas em apenas seis passos
POLÍTICA
Indicado ao STF, Kassio Nunes é sabatinado no Senado
CHAPADÃO DO SUL
Homem é preso ao manter filho da sobrinha, de 2 anos, amarrado com coleira de cachorro