Menu
Busca domingo, 25 de outubro de 2020

Gilmar Olarte alega armação política no caso dos cheques em branco

06 fevereiro 2016 - 10h00Por G1
O prefeito afastado de Campo Grande, Gilmar Olarte (PP), insiste na tese de armação política a acusação de que ele trocou cheque em branco de eleitores com agiotas. O pepista foi ouvido pela primeira nesta sexta-feira (5) na terceira audiência no Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS).

“Isso aí é uma armação política, é um imbróglio muito grande, para prejudicar um menino em ascensão, em relação aos políticos sou um menino ainda, que de repente teve de assumir uma cidade (...) e de repente assombrou algumas forças políticas. Por sua vez, o prefeito cassado reconduzido por liminar ao cargo, usou isso de uma forma vil para tentar me incriminar”, afirmou Olarte depois da audiência.

Na avaliação do prefeito afastado, os depoimentos dessa audiência reforçam sua tese. “Por exemplo, você empresta dinheiro para alguém sem o endosso de que vai pagar. Outra, cento e poucos mil [reais] de cheque, um terço é falsificado pelo agiota para engordar aquele bolo, para dar volume e poder comprometer o prefeito. O Ronan disse hoje ‘não tem nada a ver com o prefeito, eu me enrolei com os cheques’”, pontuou.

Além disso, Olarte afirmou que o autor da denúncia apenas “ouviu dizer”. “Como se faz uma denúncia de alguma coisa que ouviu dizer? As testemunhas são todas ensaiadas e treinadas pelo senhor [Alcides] Bernal e [vereador] Cazuza, mentem o tempo todo. Aqueles que se dizem, como seu Edmundo que se diz vítima, fez um teatro é agiota. Troca cheque para os outros, tem um monte de gente que troca cheque com ele, aí vem aqui, chora, tudo organizado”, ressaltou.

No entanto, o coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), promotor Marcos Alex Vera, garante que “a prova testemunhal está muito evidente e a prova decorrente de interceptação telefônica está claro de que ele [Olarte] tinha ciência de que os valores estavam sendo captados em seu nome”.

“Tanto é que ele se predispõe, em vários momentos durante a investigação, a quitar essa dívida e em algumas situações até, conforme testemunhas e gravações com autorização judicial, condicionando isso a função de cargo de prefeito municipal. Então o fato de não ter um endosso, um recibo não relativiza em uma prova testemunhal firme, inclusive, com testemunhas afirmando em juízo que entregaram dinheiro em espécie para a pessoa de Gilmar Olarte”, explicou Marcos Alex.

Sobre os cheques que apresentaram suposta falsificação na assinatura, o promotor disse que não influencia no processo. Segundo ele, dos 40 cheques apresentados, foram impugnados oito e desses, cinco apresentaram problema de grafia.

“Na verdade, com relação aos cheques que tiveram problemas, foram apreendidos durante prisão em flagrante do Salém Vieira, na época em que foi preso por posse ilegal de armas e não impacta em absoluto nas provas, uma vez que o que se discute no procedimento é a troca de cheque de terceiros que eram captados em meio a promessas de vantagens na administração. Os cheques questionados são cheques emitidos pelo próprio Ronan ou supostamente emitidos por ele e não têm relevância no procedimento”, afirmou Marcos Alex.

Audiência

Ronan Feitosa foi o primeiro a prestar depoimento e disse que pegou cheques em branco de eleitores com a intenção de pagar dívidas de campanha e depois receber os valores. Falou ainda que era responsável por contratar cabos eleitorais em 2012.

O depoimento dele durou aproximadamente uma hora. Também foi interrogado Luiz Márcio Feliciano, representado pela esposa que é a curadora dele. A defesa de Feliciano apresentou atestado de insanidade mental.

Acusação

Olarte, Feitosa e Feliciano são acusados de utilizar cheques de eleitores para serem utilizados na campanha eleitoral de 2012, com a promessa de empregos na administração municipal.

A audiência desta sexta-feira é a terceira do processo e a última da fase de depoimentos de testemunhas e de acusados.

A vice-governadora em exercício, Rose Modesto (PSDB), prestaria depoimento nesta sexta-feira, porém, a defesa de Gilmar Olarte desistiu de tê-la como testemunha.

Outra testemunha arrolada era Andrea Olarte, esposa de Gilmar Olarte, mas a defesa do prefeito afastado pediu dispensa dela no processo.

Na audiência realizada no dia 22 de janeiro, a última realizada, sete testemunhas foram ouvidas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AUXÍLIO EMERGENCIAL
3,7 milhões de nascidos em setembro recebem nova parcela neste domingo
SEGURANÇA PÚBLICA
Mato Grosso do Sul reduz índices de violência durante a pandemia
LOTERIA
Mega-Sena acumula e próximo concurso pode pagar R$ 45 milhões
DESENVOLVIMENTO
Com desempenho recorde em setembro, Mato Grosso do Sul abriu quase 6 mil empresas em 2020