Menu
Busca domingo, 20 de setembro de 2020

Reinaldo diz que Mato Grosso do Sul fecha o ano com as contas equilibradas e prevê crescimento para 2016

15 dezembro 2015 - 07h45Por Notícias MS
O governador do Estado Reinaldo Azambuja, em entrevista ao programa O Povo na TV, apresentado por Tatá Marques, disse que apesar da crise financeira e política que o país atravessa Mato Grosso do Sul teve criatividade para fechar o ano com as contas equilibradas e, principalmente, realizando investimentos em infraestrutura e programas importantes para a população. Ele também acredita que 2016 o Estado vai promover o crescimento econômico e garantir mais emprego e renda para a população.

“Tivemos um ano difícil no que se refere ao âmbito nacional, mas fizemos a lição de casa e conseguimos fechar o ano com resultados satisfatórios”, ponderou.

No balanço geral, o governador lembrou que o Estado conseguiu efetivar o programa Caravana da Saúde, que visa reestruturar o sistema de todo o Estado. O programa realizou mais de 15 mil cirurgias neste ano; também foram entregues equipamentos e novas instalações hospitalares nos municípios e região onde a Caravana da Saúde passou.

Na área de infraestrutura, o programa Obra Inacabada Zero já entregou 80% das obras deixadas por gestões anteriores e até o final do mandato entregará 100%, incluindo o Aquário do Pantanal. “Nossa meta é acabar com esses elefantes brancos deixados para a população, neste ano já conseguimos cumprir 80%. O aquário também está nessa conta e vamos terminar essa obra”, explicou.

Na segurança público o Governo do Estado investiu no efetivo e mais de 1,6 mil novos policiais foram convocados, além da construção e ativação de novos presídios para receber a população carcerária do Estado.


Impostos por empregos

Para garantir um melhor desempenho do Estado, o governador disse que a proposta para garantir a geração de emprego e consequentemente o crescimento da economia sul-mato-grossense o Estado está trocando impostos por empregos. “Nossa política de atração de investidores que vão gerar emprego e renda está diretamente na política de incentivos fiscais”, disse, citando o investimento do grupo JBS que deve gerar mais de nove mil empregos diretos e indiretos para a região de Caarapó, Ponta Porã, Sidrolândia e Dourados.

Contas equilibradas

Para garantir a saúde financeira do Estado, além da implantação de políticas de atração de investidores, o Governo do Estado ajustou algumas alíquotas. Mesmo assim, o Estado continua com o menor valor do IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores) dos estados brasileiros. O Governo também teve critérios na adequação da alíquota do ICMS (Impostos sobre Circulação de Mercadorias e Serviços). “Os ajustes foram nos produtos supérfluos, aqueles que não são de necessidade básica da população, fumo, bebida e cosméticos. O nosso IPVA ainda é o menor de todo o Brasil, igualado ao do estado do Paraná, portanto tentamos ajustar com o máximo de responsabilidade”.

Quanto à redução da alíquota do ICMS do Diesel de 17% para 12%, o Governo do Estado vai cumprir a data do decreto que autorizou a redução, que prevê o fim da redução no dia 31 de dezembro. Somente depois de uma análise mais criteriosa do Governo junto com a Assembleia Legislativa é que deverá sair uma nova decisão. “Esperávamos um resultado de aumento da produção, o que não ocorreu. É necessário avaliar quais as razões disso, já que igualamos nossa alíquota ao estado de São Paulo, mas não alcançamos a meta de aumento na produtividade”, ponderou.

Por fim, o ano de 2015 termina com investimentos e ajuda humanitária para a população dos municípios do Cone Sul. Em regime emergencial o Governo do Estado já enviou nove equipes para as cidades atingidas e mandou R$ 10 milhões para as primeiras ações de atendimento. A Defesa Civil está atuando em período integral para atender a população. “Nós entramos com toda a documentação necessária para que o Governo Federal mande recursos para ajudar o Mato Grosso do Sul na recuperação dessas áreas. São investimentos na ordem de R$ 115 milhões que vamos empregar na reconstrução de rodovias, pontes e outras obras necessárias”, disse, explicando que a tarefa do Governo do Estado está dividida em três fases para o atendimento aos municípios afetados pelas chuvas: primeiro o atendimento à população e retirada das famílias em áreas de risco, obras emergenciais e reconstrução de rodovias e pontes.



2016

Para 2016 o Estado espera começar o ano com a redução no comprometimento dos gastos do Governo. A proposta de vender a dívida de Mato Grosso do Sul para um banco internacional e deixar de pagar juros de 21% ao ano e começar a pagar 4% será um avanço e alívio para o cofre estadual. “Hoje são pelo menos R$ 86 milhões comprometidos somente para o pagamento da dívida, queremos pagar a dívida, mas o Estado precisa gerir melhor esse compromisso para não onerar as contas com o pagamento desses juros”.

Em 2016, o governador Reinaldo Azambuja também garantiu que o setor da educação não sofrerá desgastes como aconteceram no início deste ano. “Todo mundo inicia com ano, no primeiro dia do ano letivo, com uniformes, merenda e kit escolar”.



Reinaldo Azambuja disse que espera que 2016 seja um ano de muito trabalho e de crescimento para o Mato Grosso do Sul. Para ele, mesmo num cenário nebuloso na economia brasileira, o Estado tem todas as condições de obter resultados positivos. “Mato Grosso do Sul é maior que a crise, de gente trabalhadora e com criatividade para crescer. Desejo paz e tranquilidade para a população sul-mato-grossense”, finalizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

TRAGÉDIA
Bombeiro em Dourados morre durante acidente em Santa Catarina
INTERNACIONAL
TikTok move processo para tentar reverter banimento nos EUA
INTERNACIONAL
Museu sobre acidente nuclear de Fukushima abre suas portas
INTERNACIONAL
Protestos contra monarquia ganham força na Tailândia