Menu
Busca quarta, 12 de agosto de 2020

Revista de circulação nacional destaca Parque localizado na fronteira

02 setembro 2011 - 14h05
Revista de circulação nacional destaca Parque localizado na fronteira

Divulgação (TP)


Uma das publicações mais respeitadas do Brasil, a Revista de História da Biblioteca Nacional, editada pela Sociedade de Amigos da Biblioteca Nacional, divulga na edição de agosto uma matéria sobre o Parque Histórico da Colônia Militar dos Dourados, localizado em Antônio João.

Com o título, “Terra de Heróis”, a matéria relata que o museu existente no Parque, mantido pelo Exército Brasileiro através do 10° Regimento de cavalaria Mecanizado de Bela Vista, ganhou um prêmio do Instituto de Preservação do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional e que o Exército está captando recursos para ampliar o acervo e promover reformas no local.

A Colônia Militar dos Dourados se localiza no município de Antônio João exatamente no lugar em que ocorreu uma batalha entre soldados brasileiros e paraguaios no ano de 1864, início da Guerra do Paraguai. Hoje se transformou num dos principais pontos turísticos da região de fronteira.

Esta é a íntegra da matéria publicada na Revista de História da Biblioteca Nacional:

Quinze soldados brasileiros contra quase 400 paraguaios. A batalha travada em 1864 no atual Mato Grosso do Sul não deu muita chance aos brasileiros. O líder deles, no entanto, é lembrado até hoje. O túmulo do tenente Antônio João e o monumento em sua homenagem ficam no local da batalha, onde funciona o Parque Histórico Colônia Militar dos Dourados. Mantido pelo Exército, ele ganhou o Prêmio Rodrigo Mello Franco de Andrade, do Iphan, no ano passado, e agora planeja mudanças.

O local tem um museu com armamentos de diversas épocas, vestimentas e itens relacionados à Guerra do Paraguai (1864-1870). É um espaço pequeno, mas, segundo o 10º Regimento de Cavalaria Mecanizada, um projeto de melhorias no acervo e de reformas está a caminho, em fase de captação de recursos.

Enquanto isso não acontece, o principal chamariz continua sendo a história da batalha e do tenente Antônio João, que decidiu lutar praticamente sozinho contra os invasores. “Aqui no estado há monumentos, ruas e até uma cidade com o nome dele. Em certos períodos, como na ditadura, houve um resgate desses heróis”, conta Ana Paula Squinelo, historiadora da UFMS e autora de A Guerra do Paraguai, essa desconhecida (Ed. UCDB, 2002). Embora a fama seja do tenente, seus colegas de regimento o acompanharam. Morreram todos juntos na colônia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Congresso marca três reuniões para analisar todos vetos presidenciais
MATO GROSSO DO SUL
Governo divulga resultado preliminar de processo seletivo para área da saúde
GERAL
Anvisa quer reforçar medidas contra covid-19 em aeroportos e aeronaves
ANTÔNIO JOÃO
Polícia Civil prende foragido da justiça procurado pela prática de falsidade ideológica