Menu
Busca segunda, 26 de outubro de 2020

Se chuva continuar, nível de rio pode ficar 50% acima do normal

18 janeiro 2016 - 16h00Por Correio do Estado
O excesso de chuvas que atingem o Estado, desde o início do mês, pode resultar no aumento de 50% do nível do Rio Paraguai. A informação foi publicada na manhã desta segunda-feira (18) pelo centro de pesquisa da Embrapa GeoHidro-Pantanal, que ressalta ser uma hipótese e não um alerta, tendo em vista a imprevisibilidade das condições meteorológicas. Se não parar de chover, em Porto Murtinho, por exemplo, o volume pode chegar a 5,4 metros acima do normal.

Segundo o GeoHidro-Pantanal, ainda é cedo para a emissão de um alerta, mas as pesquisas analisaram informações das previsões meteorológicas emitidas pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e outras fontes de informações no Brasil e no exterior, para o trimestre de janeiro, fevereiro e março (JFM) de 2016.

Assim como Porto Murtinho, na Estação de Ladário a tendência é que o rio fique 4,6 metros acima do normal. Segundo previsões, a tendência é de que, na Bacia do alto Paraguai-Pantanal, as chuvas diminuam ou mesmo parem até o final dessa semana, recomeçando na semana seguinte.

Segundo as previsões do Inmet/Inpe, para uma grande área do Brasil, que inclui a Bacia do Alto Paraguai (BAP), a chance de ocorrer chuvas acima, abaixo ou na normalidade climatológica é a mesma. O Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) interpreta essa situação, como de "imprevisibilidade". A exceção fica para o sul do Mato Grosso do Sul (MS), onde é esperado chuvas acima da média.

O Inmet publicou um mapa que prevê para o trimestre de janeiro, fevereiro e março, chuvas acima do normal para toda a porção da bacia do alto Paraguai, no Pantanal do Estado.

RECORDE E ALERTA A RIBEIRINHOS

Nas primeiras duas semanas de janeiro ocorreram chuvas intensas e persistentes nas bacias dos rios Taquari, Negro, Taboco, Aquidauana e Miranda. O rio Aquidauana superou a marca dos 9 metros, desabrigando ribeirinhos e isolando comunidades. O recorde de nível para o rio Aquidauana foi de 10,07 metros em 2011.

Esses registros foram feitos na saída das águas do planalto e entrada para o Pantanal e a onda de ''cheia'' ou inundação está se deslocando das partes mais altas do Pantanal, para as porções mais baixas.

O Geohidro alerta as comunidades de ribeirinhos e aos pecuaristas da planície pantaneira para que tomem providências para protegerem as famílias, bens materiais e rebanho, não somente para o risco de inundação, mas também para o risco de isolamento em áreas no caminho para entrada e saída.

Nas áreas próximas à margem esquerda do rio Paraguai, no baixo curso dos rios Miranda e Abobral e no trecho da Estrada Parque entre o rio Paraguai, Curva do Leque e Buraco das Piranhas, também há risco de alagamentos e problemas com as pontes.

Felizmente, hoje (18), o rio Paraguai na estação de Ladário está com 2,20 metros, bem abaixo da cota de transbordo de 4 metros e não será um obstáculo à drenagem das águas.

Em 2011, o rio Paraguai alcançou o nível máximo de 5,62 metros na estação fluviométrica de Ladário, que coincidiu com a cheia dos rios Miranda e Aquidauana, assim como de chuvas na planície, provocando uma extensa área inundada.

MAIOR CHEIA EM 50 ANOS

O rápido aumento de nível do rio Taquari em Coxim, para 5,21 metros, foi divulgado ontem (17) e representa, segundo o Imasul, a terceira maior cheia dos últimos 50 anos. Na manhã de hoje (18), o nível foi de 4,86 metros. O aumento de nível e vazão irá aumentar o fluxo em arrombamentos e pode inundar as fazendas e pequenas propriedades de ribeirinhos, marginais ao rio e canais de arrombamentos da Nhecolândia e Paiaguás.

O rio Taquari somado as águas drenadas na planície pantaneira, por corixos e vazantes, podem ser a explicação do rápido aumento do nível do rio Paraguai nas estações fluviométricas de Ladário, Porto Esperança e Forte Coimbra. Não se pode descartar a influência das chuvas e das águas drenadas sobre as áreas da Bolívia ao longo do rio Paraguai. Para as estações de Porto Esperança e Forte Coimbra a influência do rio Miranda é importante.

As chuvas intensas no sul do Estado sobre a bacia do rio Apa e outros rios menores como rio Aquidabã, podem explicar ao menos em parte, a rápida subida do rio Paraguai em Porto Murtinho.

O longo do ano de 2015, instituições de Mato Grosso do Sul, desenvolveram com a participação da Embrapa
Pantanal, métodos para a emissão de estimativas quantitativas e automatizadas de previsão de nível, considerando todas as estações de nível disponíveis. Se os sistemas estiverem prontos para emitir alertas, esses devem ser emitidos ainda esse ano.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS
Com mais de 131 mil análises ‘padrão ouro’, Lacen foi ferramenta essencial no enfrentamento à Covid-19
ECONOMIA
Caixa paga 2ª parcela de R$ 300 da extensão do auxílio emergencial
EMPREGO
Técnico de enfermagem e agente de viagem estão entre as 1,4 mil vagas de emprego disponíveis na Funtrab
TEMPO
Semana começa com aviso do Inmet para chuvas intensas em Mato Grosso do Sul