Menu
Busca sexta, 25 de setembro de 2020

Sem votação, Câmara em MS arquiva denúncia contra Gilmar Olarte

Sem votação, Câmara em MS arquiva denúncia contra Gilmar Olarte

13 novembro 2015 - 09h30Por G1
O presidente em exercício da Câmara Municipal de Campo Grande, vereador Flávio César (PT do B), anunciou, momentos antes de iniciar a sessão de julgamento nesta quinta-feira (12), o arquivamento da denúncia de corrupção passiva e lavagem de dinheiro contra o prefeito afastado Gilmar Olarte (PP).

"Com parecer da Comissão de Justiça, com exceção da perda de objeto, declaro arquivado o processo de julgamento do prefeito afastado Gilmar Olarte. Considerando que, caso o prefeito seja reempossado ao cargo a qualquer momento, essa Casa de Leis poderá reabrir essa comissão. Com ele no cargo em exercício, seja julgado o objeto que levou ao julgamento. Declaro prejudicada a sessão de julgamento que estava prevista agora para as 12h", anunciou Flávio César.

A discussão começou quando a vereadora Thaís Helena (PT) questionou sobre a suspensão da Comissão Processante por causa do relatório que falava em "perda do objeto". A petista foi uma das denunciantes junto com o colega da bancada Alex do PT e da Luiza Ribeiro (PPS), em maio de 2015.

O presidente em exercício consultou a Procuradoria Jurídica da Casa de Leis que informou não haver brechas na lei-decreto 201/67 para suspender ou prorrogar a comissão.

"Comissão Processante é constituída com base nesse decreto-lei, porém o que determina o decreto é que a Comissão Processante tem início e fim. Não abre brecha, não preconiza a extensão da ação a prorrogação", explicou o presidente em exercício.

Segundo Flávio César, "haveria suspensão apenas com intervenção judicial, ou seja, a Câmara não tem essa prerrogativa de suspender uma Comissão Processante".

Diante da situação, o presidente consultou a Comissão de Constituição e Justiça (CCJR) que por unanimidade optou pelo arquivamento. A CCJR é composta do Airton Saraiva (DEM), Otávio Trad (PT do B), Carlos Augusto (PSB), Vanderlei Cabeludo (PMDB) e Herculano Borge (SD), que substitui o impedido Alex do PT.

O relator da Comissão Processante, vereador Paulo Siufi (PMDB), compartilha da ideia do presidente da Câmara em reabrir as investigações se Olarte retornar ao cargo.

"No final do meu parecer a gente termina dizendo que nada impede já que perdemos objeto nesse momento da reinstalação de nova processante caso ele volte ao cargo", pontuou o peemedebista.

Thaís Helena disse que, caso a Comissão Processante seja reaberta, os trabalhos continuam de onde pararam.
A petista ressaltou ainda que se a Mesa Diretora não reabra, se Olarte voltar, ela mesma vai pedir.

"O lado bom de hoje foi que ele [Olarte] não foi inocentado porque não houve julgamento", destacou a petista.

Deixe seu Comentário

Leia Também

JUSTIÇA
Celso de Mello antecipa aposentadoria do STF
CAARAPÓ
Policiais civis prendem jovem e comparsa suspeitos de tráfico de drogas
ECONOMIA
Febraban prevê que carteira de crédito deve subir 11,6% em agosto
CRIME AMBIENTAL
Polícia Militar Ambiental de Batayporã prende e autua quatro em R$ 8,4 mil por pesca predatória e apreende 139 kg de pescado, dois barcos, dois motores e petrechos