Menu
Busca quinta, 24 de junho de 2021

Governo mantém previsão de crescimento de 4,5% para 2012

Governo mantém previsão de crescimento de 4,5% para 2012

18 maio 2012 - 11h25Por Uol
O governo manteve a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) de 4,5% para este ano. A informação consta do relatório bimestral de avaliação de receitas e despesas primárias divulgado nesta sexta-feira pelo Ministério do Planejamento e da Fazenda.

O governo também elevou a previsão de receita primária total em R$ 3,430 bilhões e as despesas obrigatórias em R$ 2,569 bilhões.
Medidas para acelerar a economia

O governo anunciou medidas para acelerar a atividade e estimular o consumo. As mais recentes aconteceram no início de abril, num pacote de pouco mais de R$ 60 bilhões entre desonerações e nova injeção de capital no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

O mercado projeta que o PIB crescerá 3,20% neste ano, segundo pesquisa Focus do BC divulgada na segunda-feira. Também como parte dos estímulos do governo, os agentes econômicos esperam que o BC continue reduzindo a taxa básica de juros (Selic) --hoje a 9% ao ano-- para 8% neste ano.
PIB desacelera no 1º tri

Ao contrário do que previa o governo, a atividade econômica brasileira entrou 2012 desacelerando. De acordo com o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), considerado uma espécie de sinalizador do Produto Interno Bruto (PIB), o primeiro trimestre deste ano registrou alta de 0,15% quando comparado com o quatro trimestre do ano passado.

Essa velocidade é menor em relação à que foi vista entre outubro e dezembro passados, quando o indicador mostrou expansão de 0,20% sobre o trimestre imediatamente anterior.

O BC mostrou ainda que o IBC-Br recuou 0,35% em março frente a fevereiro, mantendo a tendência de contração vista nos últimos três meses. Em fevereiro, quando comparado com janeiro, o índice mostrou queda de 0,38%, número revisado em relação ao divulgado anteriormente (-0,23%).

O IBC-Br incorpora estimativas para a produção nos três setores básicos da economia -serviços, indústria e agropecuária.

Economistas ouvidos pela agência de notícias Reuters previam alta de 0,50% na variação mensal.
Crise econômica e desaceleração da indústria

No ano passado, o PIB brasileiro registrou expansão de apenas 2,7%, sendo que apenas no quarto trimestre expandiu 0,3%, indicando que a atividade estava se recuperando.

O agravamento da crise externa, sobretudo com os problemas na zona do euro, estão impedindo que a economia brasileira retome o fôlego, avaliam o governo e especialistas.

O setor mais afetado é o da indústria, que vem registrando retrações. Em março, por exemplo, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a produção industrial havia recuado 0,5% frente a fevereiro, fechando o primeiro trimestre do ano também com perdas de 0,5% sobre o quatro trimestre de 2011.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOTÍCIAS
Sessão pública identifica candidatos do processo seletivo do Programa de Residência Judicial
RIO BRILHANTE
Polícia Civil prende segundo envolvido em racha, que causou a morte de jovem de 22 anos no sábado
ECONOMIA
INSS inicia pagamento de segunda parcela do 13º salário a aposentados
PONTA PORÃ
PM apreende carro transportando pneus e cigarros