Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021

Homem que filmou agressão a cachorro depõe

Homem que filmou agressão a cachorro depõe

19 dezembro 2011 - 13h30
G1

O homem que filmou uma enfermeira de Formosa, no Entorno do Distrito Federal, espancando um cachorro da raça Yorkshire, começou a prestar depoimento sobre o caso na manhã desta segunda-feira (19) em Barra do Garças (MT), onde mora. O vídeo da agressão foi parar no YouTube. O cachorro morreu.

Claudemir Rodrigues Maciel foi convocado a depor por carta precatória, a pedido da delegacia de Formosa. Maciel disse que filmou a cena ao ser acordado pelos latidos do cachorro. Ele estava passando o final de semana no apartamento da madrinha da filha, que é vizinha da enfermeira.

“Estava dormindo no apartamento, o pessoal não estava em casa. Era quatro horas, cinco horas da tarde. Acordei com o barulho do cachorro gemendo”, afirmou ao G1, pouco antes de iniciar o depoimento.

Maciel afirmou que resolveu filmar a cena porque já havia sido informado de que a enfermeira maltratava o animal. “O pessoal me falou que ela espancava [o cachorro] quase todo o dia. Eu disse: ‘Essa eu vou filmar’.”

Ele disse que fez a gravação da área de serviço do apartamento em que estava, no segundo andar, que dá vista para a o apartamento da enfermeira, no andar de baixo. Maciel afirmou que no dia seguinte, um domingo, filmou o cachorro ainda vivo, molhado, na área de serviço. “Esse vídeo é curto, não acrescenta nada ao que já foi divulgado.”

Ele foi embora no mesmo dia, de volta para Barra do Garças. Antes, gravou o vídeo em um CD e deixou com a dona do apartamento, porque a polícia estava em greve. O CD só foi entregue após o fim da paralisação dos policiais e acabou dando origem ao inquérito sobre o caso.

Depoimento
A enfermeira deve depor ainda nesta semana sobre o caso. O delegado que investiga os maus-tratos, Carlos Firmino Dantas, disse que negocia com a defesa da mulher uma data para ela depor.

O advogado da enfermeira, Gilson Saad, disse ao G1 que ela está abalada com a repercussão do caso. “Queremos apaziguar a situação. Precisamos acalmar a população. Ela é uma mera dona de casa que precisa ter a vida dela devolvida”, afirmou.

O advogado disse que entre as razões apontadas pela mulher para as agressões estava o fato de ela estar desempregada, vivendo um mal momento. No sábado, o G1 conversou com uma parente próxima da mulher, que pediu para não ser identificada, que disse que ela tinha um quadro de depressão agravado pela distância da família.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
PMA realiza fiscalização por terra e nos rios em prevenção à pesca predatória
GERAL
Número de mortos em operação no Jacarezinho sobe para 29
COSTA RICA
Trio é preso pela PM com tabletes de substância análoga a maconha
ESPORTE
Fundesporte e Assomasul debatem organização da 17ª Copa Assomasul