Menu
Busca segunda, 21 de junho de 2021

Por motivos religiosos crianças são impedidas de frequentar escola

Por motivos religiosos crianças são impedidas de frequentar escola

10 maio 2012 - 13h50
24 Hnews


A educação está entre os direitos sociais, descritos no art. 6º da Constituição Federal. Outra das prerrogativas constitucionais é a liberdade de crença religiosa. Tudo isso sem se esquecer que todos são iguais perante a lei. Porém, o direito à educação e à liberdade de crença não estavam sendo respeitados em uma escola municipal na cidade de Pontal do Araguaia (516 quilômetros de Cuiabá). Devido à convicção religiosa, duas crianças corriam risco de serem impedidas de estudar.

Os estudantes são membros de uma igreja evangélica, que reprova o uso de símbolos religiosos. Acontece que a Escola Municipal São Jorge confeccionou o uniforme com a estampa da imagem do aludido santo. Diante das crenças, os pais não permitiram que suas filhas utilizassem aquele uniforme, mas entre as regras da unidade escolar está o uso de vestimenta padrão.

Com a situação, a direção da escola reuniu o Conselho de Classe para avaliar o caso. Mesmo sabendo da escolha religiosa, o conselho, por maioria de votos, decidiu que as duas crianças, deviam se submeter às regras do estabelecimento como todos os alunos.

Inconformada, a mãe das crianças foi até a Defensoria Pública de Barra do Garças, onde foi atendida pelo Defensor Público Milton Martini. A senhora, inclusive, se dispôs a mandar confeccionar as camisetas no padrão utilizado pela escola, contendo o nome do estabelecimento, todavia, sem a imagem do santo.

De imediato o Defensor Público oficiou o Prefeito Municipal de Pontal do Araguaia, requisitando providências para que as crianças não perdessem o direito à educação. O pedido, feito ao poder municipal, foi para determinar à direção da unidade de ensino que admitisse normalmente as crianças com o uniforme padrão, porém sem o emblema mencionado.

“O artigo 5º da Constituição Federal assegura a igualdade perante a lei, sem distinção de qualquer natureza. Inclusive garante a liberdade de consciência e de crença”, ressalta Dr. Milton.

No caso, não foi necessário tomar qualquer medida judicial porque o ofício requisitório da Defensoria Pública foi prontamente atendido pela Prefeitura Municipal, que determinou à direção escolar a aceitação das novas vestimentas. Assim, foram confeccionados os novos uniformes e as crianças puderam estudar normalmente, sem risco de virem a ser barradas novamente na porta da escola.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Avião com 1,5 milhão de doses da Janssen chega amanhã, diz ministro
PONTA PORÃ
Camionete roubada em Brasília é apreendida pelo DOF
OPORTUNIDADE
Processo Seletivo para contratação de Analista de Medidas Socioeducativas está com inscrições aberta
INVESTIGAÇÃO
Polícia descarta latrocínio e investiga morte de mulher em Dourados por execução