Menu
Busca terça, 30 de novembro de 2021

Termina depoimento de policiais suspeitos de matar juíza

14 setembro 2011 - 13h10
Termina depoimento de policiais suspeitos de matar juíza

G1


O depoimento dos três policiais militares suspeitos de matar a juíza Patrícia Acioli, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, terminou por volta das 21h30 desta terça-feira (13), na Divisão de Homicídios (DH), na Barra da Tijuca, na Zona Oeste do Rio.

O depoimento mais longo foi o do tenente Daniel Benitez, que durou três horas e 15 minutos. Os cabos Sérgio Costa Júnior e Jefferson de Araújo Miranda foram ouvidos em seguida.

De acordo com a advogada dos cabos, Alzira de Castro Garcia, os policiais negaram qualquer participação no crime. Ela contou que teve acesso rápido ao processo e que os policias têm álibis para o dia do crime, mas disse não poder adiantar mais nada.

"Tive hoje o primeiro contato com o processo. Mas uma coisa é certa: eles negam qualquer participação no crime. Não tive acesso a tudo, ainda não analisei todas as provas, mas eles têm ábilis para o dia da morte da juíza", disse a advogada, que acredita que devido à complexidade do processso um dos cabos deverá constituir um outro advogado para fazer sua defesa.

Tenente foi o primeiro a depor
O advogado Saulo Sales, que defende o tenente Daniel dos Santos Benitez Lopes, primeiro a prestar depoimento, disse, no início da noite, que o seu cliente é inocente de todas as acusações a respeito da morte de juíza Patrícia Acioli. Os outros dois policiais saíram sem falar com a imprensa.

Segundo o advogado, no depoimento, o policial respondeu a várias perguntas e deu detalhes sobre o que fazia no dia do crime.

“Ele (o tenente) disse que estava perto do fórum de São Gonçalo porque a advogada dele que o defende no caso da morte de um jovem de 18 anos, no Morro do Salgueiro, tinha entrado em contato com ele. Ele teria ido ao fórum para encontrar a advogada que informou que a juíza ia decretar a prisão dele. Ele negou tudo e vamos trabalhar para demonstrar a sua inocência. Não há nada de concreto contra ele”, disse o advogado.

Sales informou que só passou a defender o tenente neste caso e que desconhece os processos sobre os homicidios a que ele responde por auto de resistência. O advogado chegou a dizer que o PM estava de serviço no dia do crime da juíza. Mas ao ser questionado pelos jornalistas, voltou atrás e disse que não sabia detalhes.

O advogado negou que haja imagens de seu cliente nas imediações da casa da juíza e disse que faltam provas robustas para incriminar o tenente pela morte da magistrada.

A juíza Patrícia Acioli foi morta com 21 tiros, no dia 12 de agosto, quando chegava em sua casa, em Piratininga, na Região Oceânica de Niterói. De acordo com a polícia, a magistrada sofreu uma emboscada e foi atingida por 21 tiros. A polícia mantém em sigilo as investigações do crime.

Os três policiais passaram a madrugada na delegacia e na segunda (12) tiveram uma conversa preliminar com os agentes. Ainda de acordo com a polícia, cerca de 90 agentes foram às ruas para cumprir 18 mandados de busca e apreensão. Eles percorreram endereços de pessoas relacionadas aos três policiais e buscaram mais provas do caso para incluir no inquérito.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MEIO AMBIENTE
Imasul informa: Queima controlada na planície pantaneira continua proibida até o fim do ano
POLÍTICA
Presidente Bolsonaro assina filiação ao PL
REGIÃO
Indivíduo preso por ameaçar esposa com faca possuía dois mandados de prisão
SAÚDE
Ministério lança campanha de combate ao mosquito da dengue