Menu
Busca segunda, 27 de setembro de 2021
NOTÍCIAS

Acadêmicos podem participar de Concurso de Artigos Científicos do TJ

31 maio 2021 - 13h30Por TJMS

Visando selecionar artigos científicos que explorem a temática da cultura de discriminação e violência contra a mulher, em uma abordagem que contextualize a Lei n. 11.340/2006 e em atenção à Política Judiciária de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres (Res. 254/2019, CNJ), o Tribunal de Justiça, por meio da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, lançou o 1º Concurso de Artigos Científicos voltado para acadêmicos de Direito, Pedagogia, Psicologia e Serviço Social.
 
As inscrições são gratuitas e estarão abertas até o dia 17 de agosto pelo link https://www5.tjms.jus.br/concursoartigo/. Os autores dos artigos que alcançarem as três maiores notas serão premiados com livros e serão entregues durante a cerimônia de premiação.
 
Para o primeiro colocado serão entregues as obras: A Reconstrução dos Direitos Humanos, de Celso Lafer; Teoria dos Direitos Fundamentais, de Dimitri Dimoulis e Leonardo Martins; Lei Maria da Penha - Coleção Saberes Monográficos, de Alice Bianchini; Lei Maria Da Penha: Processo Penal No Caminho Da Efetividade: Abordagem Jurídica e Multidisciplinar: O Processo Penal no Caminho da Efetividade, de Valéria Diez Scarance Fernandes; Box O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir; Sexo e Temperamento, de Margaret Mead; Calibã e a Bruxa, de Silvia Federici; A violência no Casal: da coação psicológica a agressão física, de Mariefrance Hirigoyen; A criação do Patriarcado – História da opressão das mulheres pelos homens, de Gerda Lerner; Gênero em termos reais, de Raewyn Connel; Manual de Sociologia Jurídica: introdução a uma leitura externa do direito, de Ana Lucia Sabadell; Saúde Mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação, de Valeska Zanello; Problemas de Gênero Feminismo e Subversão da Identidade, de Judith Buttler; A Mulher na Sociedade de Classes: Mito e Realidade, de Heleieth Saffioti; O Poder do Macho, de Heleieth Saffioti; Processo Penal Feminista, de Soraia Rosa Mendes; História das Relações de Gênero, de Peter N. Stearns; A Violência Doméstica Contra A Mulher E A Transversalidade De Gênero, de Ricardo Ferracini Neto; Explosão feminista: Arte, cultura, política e universidade; de Heloisa Buarque de Hollanda; O Ponto Zero da Revolução; de Silvia Federici.
 
O autor do artigo que receber a segunda maior nota receberá os livros A Reconstrução dos Direitos Humanos, de Celso Lagfer; Box O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir; Sexo e Temperamento, de Margaret Mead; Calibã e a Bruxa, de Silvia Federici; A criação do Patriarcado – História da opressão das mulheres pelos homens, de Gerda Lerner; Gênero em termos reais, de Raewyn Connel; Manual de Sociologia Jurídica: introdução a uma leitura externa do direito, de Ana Lucia Sabadell; Saúde Mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação, de Valeska Zanello; Processo Penal Feminista, de Soraia Rosa Mendes; A Violência Doméstica Contra A Mulher E A Transversalidade De Gênero, de Ricardo Ferracini Neto.
 
E ao terceiro melhor colocado serão entregues os exemplares de Teoria dos Direitos Fundamentais, de Dimitri Dimoulis e Leonardo Martins; Box O Segundo Sexo, de Simone de Beauvoir; A violência no Casal: da coação psicológica a agressão física, de Marie-france Hirigoyen; Problemas de Gênero Feminismo e Subversão da Identidade, de Judith Buttler; O Ponto Zero da Revolução; de Silvia Federici.
 
Como forma de valorização, os cinco trabalhos melhor colocados serão publicados, de forma resumida, no sítio eletrônico do TJMS, em março de 2022, durante Semana da Justiça pela Paz em Casa, uma ação promovida em todo o país pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com os tribunais brasileiros.
 
Todos os trabalhos que alcançarem nota igual ou superior a 7,0 serão publicados no site da Coordenadoria Estadual da Mulher e na Revista Trimestral de Jurisprudência do TJMS para incentivar a produção de conteúdo científico que contribua para a prevenção, o combate e a eliminação de todas as formas de discriminação contra as mulheres.
 
Saiba mais – Podem concorrer artigos de autoria de um ou mais acadêmicos de graduação em Direito, Pedagogia, Psicologia e Serviço Social, supervisionado ou não por professor-orientador, que explorem a temática da cultura de discriminação e violência contra a mulher em uma abordagem da Lei n. 11.340/2006, conhecida com Lei Maria da Penha.
 
Para se inscrever, o candidato deve ter 18 anos até a data de encerramento das inscrições e ser acadêmico de graduação dos cursos de Direito, Pedagogia, Psicologia e Serviço Social, devidamente matriculado em curso de instituição de ensino superior sediada em Mato Grosso do Sul. O trabalho deve conter o mínimo de 10 e máximo de 15 laudas.
 
Promovido pela Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar, o concurso pretende ampliar os espaços de discussão e reflexão sobre discriminação de gênero e violência contra as mulheres, bem como de promoção do conhecimento e divulgação na sociedade.
 
Entre os objetivos do certame estão incentivar discussões e reflexões sobre discriminação, estereótipos, papéis sociais, leis, linguagem, mídia, objetificação da mulher entre outros dispositivos que produzam ou reforcem a desigualdade entre homens e mulheres; promover a compreensão do feminismo na perspectiva dos Direitos Humanos; valorizar as iniciativas de acadêmicos e de instituições de ensino superior que contribuam para o entendimento da violência de gênero como um problema estrutural das sociedades contemporâneas; e fomentar políticas de prevenção à violência contra as mulheres nas instituições de ensino.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEGISLATIVO DE MS
Neno Razuk recebe moção de agradecimento por destinação de emenda à Itaquiraí
CIDADE
Já está em vigor lei que reduz ICMS da energia elétrica para 1 milhão de unidades consumidoras
SAÚDE
Campanha foca em conversa com família para aumentar doação de órgãos
OPERAÇÃO HÓRUS
PM do Vale do Ivinhema apreende mercadorias oriundas do Paraguai avaliadas em 800 mil reais