Menu
Busca sexta, 16 de abril de 2021
Polícia

Ex de mulher presa por não pagar pensão diz que filhas foram agredidas por padrasto

21 novembro 2014 - 07h13Por Fonte: midiamax
No dia 5 deste mês, o Jornal Midiamax contou a historia do mecânico de 48 anos, que viu a mulher ser presa por não pagar pensão às filhas do primeiro casamento e os filhos, de 3 anos, 2 anos e 4 anos serem levados pelo Conselho Tutelar. Nesta semana, o pai das meninas, que tem direito a receber pensão, entrou em contato com a equipe de reportagem para contar a história pelo lado dele e das filhas, hoje com 7 e 10 anos.

O pai diz que em 2009, a ex-mulher, de 30 anos, se envolveu com bebidas alcoólicas e teria começado a agredir as filhas do casal. Ele procurou ajuda no SOS Criança e foi aconselhado que a mulher procurasse ajuda no AA (Alcoólicos Anônimos), mas segundo ele, “só piorou a situação”.

Ainda conforme o pai, a mulher saiu de casa já grávida do atual marido e ‘fugiu’ com as filhas do casal, que na época, tinham 4 e 6 anos. Ele diz ainda, que a ex-mulher saiu de casa no dia 29 de maio de 2011 e ele só conseguiu rever as filhas no dia 12 de junho.

O pai contesta a alegação do atual marido da ex, de que as meninas se acidentaram em uma brincadeira e afirma que as filhas foram agredidas pelo padrasto. Segundo ele, as meninas disseram ter sido mantidas em um quarto escuro.

Foi realizada uma audiência e o pai ganhou a guarda provisória e determinou que a mãe ficasse três vezes por semana com as filhas. Em uma dessas visitas, as crianças revelaram ao pai que o padrasto teria deixado as duas de castigo de joelho no sol quente, porque elas cantaram uma música do Luan Santana, o que ele [padrasto] não aprovava por ser evangélico.

O pai também refuta a informação do padrasto, de que não haveria provas sobre a agressão. Ele ressalta que tudo está documentado no processo e no SOS Criança. Ele explica que não pretendia solicitar pensão da ex-mulher, mas que foi orientado pelo advogado a fazer o pedido, já que é um direito das crianças.

Prisão

No dia 5 deste mês, a mãe foi presa e as três crianças do atual casamento dela, levadas pelo Conselho Tutelar. Na data, o padrasto disse que os problemas da família começaram há três anos. A mulher dele tem além dos três filhos em comum, duas filhas do primeiro casamento.

Ele afirma que uma das meninas teria caído durante uma brincadeira de amarelinha e ralado o joelho. O padrasto afirmou que após o machucado, o pai das meninas o denunciou, dizendo que ele havia agredido as crianças e que teria deixado as meninas de joelho no chão quente.

Depois de o caso ir parar na Justiça, o pai pediu pensão e a mãe não teve como pagar e acabou sendo presa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEGISLATIVO
"Respiradores salvam vidas e essa é nossa meta", diz Neno Razuk em pedido de recursos para compra
CRIME AMBIENTAL
PMA autua pecuarista desmatamento dentro da Unidade de Conservação de Proteção Ambiental
BRASIL
Covid-19: em uma semana, mortes aumentam 8% e casos 6%
CASSILÂNDIA
Polícia Militar tira de circulação mais um foragido da justiça