sexta, 23 de fevereiro de 2024

Funcionários da Justiça estão em greve

Funcionários da Justiça estão em greve

24 maio 2012 - 15h25
Mercosulnews


Um Estado sem Justiça. É assim que se encontra o Mato Grosso do Sul desde o início da tarde desta quarta-feira (23), quando os servidores do Poder Judiciário das maiores comarcas do Estado deflagraram greve por tempo indeterminado em busca de “um reajuste salarial digno”.
Em Ponta Porã o Fórum da Comarca está parado, apenas as atividades essenciais estão sendo mantidas em forma de plantão entre os servidores. As demais atividades estão paralisadas, como o atendimento dos cartórios e a realização de audiências.

Um dos delegados de Ponta Porã junto ao sindicato da categoria, Alan Ale Abdalah, falou em nome dos grevistas e disse que o último encontro com a administração do Tribunal de Justiça/MS e a diretoria do sindicato ocorreu nesta terça-feira, ocasião em que também não foi encontrado denominador comum nas negociações.

A categoria que um reajuste de pelo menos 18% para os servidores que ganham menos (atendentes e auxiliares), que percebem hoje algo em torno de R$ 800,00. Depois, numa escala de redução de percentuais até o maior salário, que é de R$ 2.400,00 para um analista. Neste caso o reajuste que os servidores pleiteiam é de 7%.

Só que o TJ/MS oferece apenas 6% para todos os servidores, independentemente da função que ocupam e do quanto recebem de salário. Para os grevistas, a proposta está bem aquém do esperado, diante do fato de que o governo federal aumentou o salário mínimo em 14%.

O representante da classe disse que todas as grandes comarcas do Estado estão paralisadas, como Campo Grande, Dourados, Corumbá, Três Lagoas e Amambai, além de Ponta Porã. O reajuste solicitado garantem os manifestantes, se equipara as perdas do período, desde março de 2011, quando foi concedido o último aumento salarial.

O presidente do sindicato, Dionísio Avalhaes, mantém um plantão no próprio prédio do TJ/MS, aguardando ser chamado para uma nova audiência, já que a intenção dos grevistas é obter um acordo e encerrar a paralisação o quanto antes. De qualquer forma, a entidade já impetrou mandado de segurança para declarar a legalidade do movimento grevista, tendo em vista que a paralisação era prevista e foi devidamente anunciada para toda a sociedade através de todos os canais de mídia.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE

Grupo vai subsidiar políticas de enfrentamento de mortes no trabalho

GERAL

Antropólogos propõem incluir povo indígena em debate sobre bioeconomia

GERAL

Estudo aponta impacto etnorracial no desenvolvimento infantil

GERAL

STF pode agendar audiências para debater revisão da Lei da Anistia