Menu
Busca domingo, 11 de abril de 2021
Saúde

Portador de vermes, caramujos ameaçam saúde pública

05 dezembro 2014 - 09h46Por Fonte: douradosagora
Caramujos africanos estão infestando quintais e acabando com plantações e hortas. O molusco, que sempre aparece em período chuvoso, não tem predador natural na cidade e causa incômodo a muitos moradores, principalmente aqueles que têm muitas árvores e plantas em casa ou moram próximo a córregos.

Na casa de Augusta da Silva Pedroso, os caramujos encontram terra molhada e muita sombra, alguns dos motivos para a infestação no quintal. Os moluscos já destruíram uma pequena plantação de couve e atingiram outras plantas. Augusta já perdeu a conta de quantos caramujos já recolheu nos últimos dias. A ameaça de infestação assusta pois o molusco é vetor de doenças graves pelo fato de hospedar vermes, sendo uma ameaça à saúde pública.

A coordenadora do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), Rosana Alexandre da Silva, diz que o molusco, principalmente da espécie africana, faz parte do ciclo de vetor de vermes, assim como o rato. “Eliminados nas fezes dos roedores, as larvas do parasitas são ingeridas pelos caramujos. Dentro dos moluscos as larvas vão crescer, atingindo a fase em que se tornam capazes de infectar animais vertebrados”, explica a coordenadora do CCZ.

O ciclo se fecha quando os ratos comem os moluscos infectados. Porém, as pessoas também podem ser infectadas se ingerirem os caramujos ou a baba (muco) liberada por eles, contendo as larvas do parasito. De acordo com Rosana, a contaminação em seres humanos pode ocorrer quando elas tocam nas plantas e vegetais e depois levam a mão à boca.

No Brasil, a infecção costuma ocorrer por meio da ingestão acidental destes animais ou do muco liberado por eles. O consumo de verduras, legumes e frutas crus sem a higienização adequada também pode levar à infecção, uma vez que os moluscos liberam muco sobre os alimentos e também podem acabar sendo picados e ingeridos despercebidamente junto com saladas ou temperos.

O caramujo aparece geralmente em dias nublados, já que ele prefere a sombra que o sol. A espécie africana, um dos maiores, é um grande transmissor de doença. Segundo Rosana, esse molusco, em épocas de chuva, que geralmente está hibernado debaixo da terra, ganha vida e sai para buscar alimento e se proliferar, podendo colocar até 400 ovos por vez. Ele é capaz de se alimentar de diversos tipos de plantas ornamentais, verduras e frutas, lixo e o contato frequente da população com o molusco facilita a transmissão.

Doenças

Por ser vetor de parasitas, o caramujo pode transmitir várias doenças, como esquistossomose, que no estágio crítico provoca hemorragia. Uma nova forma de meningite está se espalhando pelo Brasil nos últimos anos e segundo a coordenadora do CCZ, essa doença é transmitida principalmente por moluscos, incluindo o caramujo gigante africano, provocando infecção causada pelo verme Angiostrongylus cantonensis. Chamada de meningite eosinofílica ou angiostrongilíase cerebral, a doença já foi diagnosticada em seis estados, nas regiões Nordeste, Sudeste e Sul do país.

Eliminação

A catação manual, segundo Rosana, é a única forma de se livrar dos caramujos. É preciso proteger bem as mãos, pegar um por um e colocados em um recipiente, como balde ou bacia, e submersos em solução preparada com uma parte de hipoclorito de sódio (água sanitária) para três de água.

Após 24 horas de imersão, a solução pode ser dispensada e as conchas devem ser colocadas em um saco plástico e descartadas no lixo comum. É recomendado também recolher os ovos do molusco, que costumam ficar semienterrados. A lavagem das mãos após os procedimentos é fundamental, podendo ser realizada com sabão comum.

Deixe seu Comentário

Leia Também

AGEPEN
Empreendedorismo e empoderamento é destaque em ações realizadas com reeducandas de MS
REGIÃO
PMA de Bela Vista sai para resgate de Jaguatirica atropelada e quando chega o animal já estava morto
INTERNACIONAL
Banco Mundial destina U$ 2 bi para vacinas a países em desenvolvimento
AMAMBAI
Polícia Militar Rodoviária recupera veículo furtado transportando mais de uma tonelada de maconha