sexta, 23 de fevereiro de 2024

Superlotação obriga PF improvisar cela em Ponta Porã

Superlotação obriga PF improvisar cela em Ponta Porã

28 maio 2012 - 15h40
Douradosagora


A Polícia Federal de Ponta Porã está com um grande problema nas mãos para resolver. Desde o dia 11 deste mês está proibida de enviar presos para o Estabelecimento Penal Ricardo Brandão, que está com sua capacidade acima da média.

Construído para abrigar 78 internos, até ontem, ele mantinha 390 e segundo informações da Agepen, 25 presos seriam transferidos para Dois Irmãos do Buriti. Ontem O PROGRESSO conheceu a realidade da PF. Num espaço de pouco menos de 8m², 13 presos se amontoam à espera da transferência e já demonstram impaciência. No local, apenas uma pequena parede separa a área de dormir do banheiro. A grande maioria dorme no chão.

“Nós aqui não temos local para abrigar presos. Não temos carceragem. Com a surpresa de não podermos enviá-los para o presídio, tivemos que nos adequar. E infelizmente, esses 13 presos ficarão aqui até que a justiça autorize a sua remoção”, destacou o chefe da Polícia Federal de Ponta Porã e delegado, Jorge André Santos Figueiredo.

Sem saída, o delegado enviou oficio à presidente da 5ª Subseção da OAB de Ponta Porã, Nina Negri Schneider, colocando-a à par da situação e pedindo providências sobre o caso.

No dia 18, o delegado Jorge André fez um requerimento ao Tribunal de Justiça para que aceitasse os presos no presídio. Porém, o pedido foi indeferido. Diante da negativa, o delegado, prevendo o caos e a insegurança que esses presos podem causar, não encontrou outra alternativa do que pedir auxílio à Corregedoria. E o processo foi o mesmo. Pedido enviado ao Tribunal de Justiça que consequentemente enviou para a Agepen, solicitando que fossem aceitos os presos da PF. Até ontem, nenhuma resposta foi dada à PF que já se vê em situação delicada.

Por outro lado, caso a Agepen autorize a entrada desses presos em alguma cidade do MS, os gastos e transtornos para a PF aumentam mais ainda. Primeiro porque para transportá-los geraria gastos e policiais teriam que se deslocar de Ponta Porã até a origem, desguarnecendo a fronteira. A intenção da unidade federal de Ponta Porã é que eles fiquem na cidade.

Sem poder conduzi-los para o presídio, as ações da PF ficam comprometidas na região de fronteira que se torna um leque aberto para o crime. Em algumas situações, como é o caso da Polícia Rodoviária Federal (PRF), os policiais têm sido orientados a fazer o flagrante fora dos limites de Ponta Porã, justamente para fugir desse impecilho judicial que emperra um trabalho mais eficiente da polícia na região.

situação de Ponta Porã é um dos mais críticos do Estado. E o problema se arrasta há vários anos sem solução por parte do poder público estadual, responsável pelo setor. As promessas são das mais variadas. Porém, até o momento, sem uma ação mais concreta.

Para se ter uma ideia da gravidade do problema, caso a Agepen tenha cumprido a promessa e ontem ter transferido 25 internos, nada mudaria, já que caso a justiça aceite, os 13 presos que estão amontoados na cela improvisada da PF, entrariam no presídio. Nada muda em números. Pelo contrário. A tendência é que o caos se instale ainda mais, caso as providências não sejam tomadas o mais rápido possível.

O trabalho consistente do diretor do Estabelecimento penal, Rodrigo Borges, é o diferencial para que tudo corra normalmente. Mas a população vive sempre com o pensamento que ali é um barril de pólvora, pronto para explodir. A ausência de um presídio em Ponta Porã torna a situação dos setores de segurança um poço sem fundo.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE

Grupo vai subsidiar políticas de enfrentamento de mortes no trabalho

GERAL

Antropólogos propõem incluir povo indígena em debate sobre bioeconomia

GERAL

Estudo aponta impacto etnorracial no desenvolvimento infantil

GERAL

STF pode agendar audiências para debater revisão da Lei da Anistia