Menu
Busca sábado, 27 de novembro de 2021
AGEPAN

Votação para escolha da nova sigla da Agência de Regulação de MS vai até o dia 25 de outubro

20 outubro 2021 - 09h30Por Portal Governo MS

Muitas pessoas estão participando do concurso que vai escolher a nova sigla da Agência Estadual de Regulação de Serviços Públicos de Mato Grosso do Sul, atualmente Agepan. Com isso, a Agência Reguladora prorrogou o prazo de votação para que todos possam participar até o dia 25 de outubro, segunda-feira. 

A escolha da nova sigla faz parte da inovação que a Agência vem trazendo com a nova gestão e em comemoração aos 20 anos da Autarquia. A nova sigla vai tornar a agência mais representativa do trabalho que realiza em Mato Grosso do Sul.

São cinco opções de nomes e a população pode escolher a sua preferida: AGER-MS, AGEMS, AGERMS, AER-MS ou AGERSP-MS. Para participar do concurso basta acessar o site da Agepan, preencher o cadastro e votar. 

Após o término do concurso, será feito sorteio entre as pessoas que escolherem a sigla vencedora e o ganhador ou ganhadora vai receber um café da manhã especial. 

Por que mudar

A proposta vai alterar o nome AGEPAN – uma referência apenas ao bioma Pantanal, adotado desde a criação – para outro, que informe adequadamente o papel da Agência Reguladora e sua localização em Mato Grosso do Sul. 

Da sigla atual – AGEPAN -  permanece o AGE, que remete à palavra Agência. Já o trecho que faz referência à palavra “pantanal” não teve ao longo dos anos identificação com a real natureza da autarquia ou com o nome do Estado, causando até confusão com instituições de diferentes áreas com nomes parecidos. Por isso, o concurso sugere opções que deixam claro se tratar de uma organização pertencente a Mato Grosso do Sul.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Saúde avalia inclusão de remédios para tratamento da Hemofilia A
LEGISLATIVO DE MS
Neno Razuk solicita reforma na lavanderia comunitária em Dourados
POLÍTICA
Presidente diz que Brasil e o mundo não aguentam um novo lockdown
ECONOMIA
"Estamos perto de ver o topo da inflação", diz presidente do BC