Menu
Busca quarta, 22 de setembro de 2021
CARBONERA - JULHO, AGOSTO E SETEMBRO
SAÚDE

Integrantes do primeiro Comitê Técnico de Saúde Integral da População LGBT+ tomam posse em MS

15 setembro 2021 - 12h00Por Portal Governo MS

O Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), realizou nesta terça-feira (14), a posse do primeiro Comitê Técnico de Saúde Integral da População LGBT+ de Mato Grosso do Sul. Os membros terão a missão de elaborar, acompanhar e monitorar a implantação e a implementação da Política Estadual de Saúde Integral de LGBT+, com vistas a garantir a equidade na atenção à saúde para esses grupos populacionais.

Para o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, a criação do Comitê contribui para a pactuação da Política Estadual de Saúde Integral LGBT+ nos diversos órgãos e entidades integrantes do SUS. “É uma forma de apresentar subsídios técnicos e políticos para apoiar esta implementação no que tange à promoção, prevenção e atenção à saúde destes grupos populacionais”.

O Comitê Técnico de Saúde Integral da População LGBT+ de Mato Grosso do Sul terá a função de contribuir para a produção de conhecimento sobre a saúde LGBT+ e o fortalecimento da participação desta população nas instituições de ensino e pesquisa; além de participar de iniciativas intersetoriais relacionadas com a saúde de LGBT+.

Atenta às questões, a Secretaria de Estado de Saúde promoveu neste ano, a capacitação de agentes de saúde e recepcionistas na atenção ao acolhimento à população LGBT+ em unidades de saúde de Mato Grosso do Sul. Os profissionais de saúde receberam orientações sobre o cadastro do público LGBT+ na plataforma do sistema e-SUS, do Ministério da Saúde.

Segundo a gerente de Equidade em Saúde e Ações Estratégica da Secretaria de Estado de Saúde, Geani Almeida, a partir das informações atualizadas vai possibilitar o desenvolvimento de ações específica para este público, mas antes, é preciso fechar essa lacuna no sistema de saúde.

"Ao fazer esse cadastro no sistema de saúde, permite que as equipes de saúde conheçam melhor as características deste público e possam promover um atendimento mais adequado e de excelência. É a Saúde fazendo valer a implementação de políticas públicas para a população LGBT+ em nosso Estado”, afirma a gerente.

Desta forma, a garantia ao atendimento à saúde é uma prerrogativa de todo cidadão e cidadã brasileiros, respeitando-se suas especificidades de gênero, raça/etnia, geração, orientação e práticas afetivas e sexuais.

Veja como ficou a composição dos membros do Comitê Técnico de Saúde Integral da População LGBT+

Geani Almeida, da Equidade em Saúde e Ações Estratégicas; Gabriela Piazza, representante da Atenção Primária em Saúde, ambas representantes da Coordenadoria de Ações em Saúde (CAS) da SES;

Alessandra Salvatori, representante da Diretoria Geral de Vigilância em Saúde (DGVS), prioritariamente da área relativa às IST/HIV/AIDS e Hepatites Virais da SES;

Newton Gonçalves de Figueiredo, representante da Escola de Saúde Pública (ESP) da SES;

Fernanda Cristina Rodrigues, representante da Coordenadoria Estadual de Gestão Participativa Descentralizada (CEGPD);

Lucimara Faria, Marjorie Gonçalves Marques Pereira, Joelci Del Bosco Lujnani Jr. (Julia Lugnani), Elaine Cristina Ferrari Furio, representantes de cada sede de macrorregião de saúde: Campo Grande, Corumbá, Dourados e Três Lagoas;

Frank Rossatte da Cunha Barbosa, representante do Conselho Estadual de Saúde (CES), prioritariamente do segmento (Gestor,Prestador e Usuário) LGBT+;

Edimilson Cardoso da Cruz, representante do Conselho Estadual da Diversidade Sexual, prioritariamente do segmento LGBT+;

Leonardo Bastos, representante da Subsecretaria de Políticas Públicas LGBT+ - Secretaria de Estado de Governo;

Mikaella Lima Lopes, representante das organizações da sociedade civil.

Deixe seu Comentário

Leia Também

NOTÍCIAS
Adolescentes maiores de 12 anos precisam portar RG em viagens
POLÍTICA
Sem coligações, CCJ do Senado aprova PEC da reforma eleitoral
INOCÊNCIA
Polícia Militar prende homem que agrediu com uma marreta e pedaço de madeira a própria mãe idosa
SAÚDE
Fiocruz recebe lote de IFA para produção de vacinas