sexta, 23 de fevereiro de 2024

Anderson gera polêmica ao ignorar time de Vitor Belfort no TUF Brasil – Foi certa sua atitude?

Anderson gera polêmica ao ignorar time de Vitor Belfort no TUF Brasil – Foi certa sua atitude?

22 maio 2012 - 15h52
Uol

O que tinha tudo para ser apenas uma visita de cortesia, se tornou uma grande confusão, pelo menos para os fãs de MMA. A ida de Anderson Silva ao reality show The Ultimate Fighter gerou uma grande polêmica aqui no blog, no post sobre o último episódio, e nas redes sociais. Então resolvi voltar ao assunto e abrir uma discussão.

Primeiro, vou relatar como foi a participação do campeão dos médios do UFC no TUF e depois farei algumas ponderações, explicando as principais questões trazidas pelos internautas.

Diferentemente do que fizeram outros lutadores famosos do UFC quando foram ao reality, como José Aldo ou Junior Cigano, Anderson ficou apenas com uma das equipes, apenas com o time comandado por Wanderlei Silva, ignorando os participantes da equipe de Vitor Belfort.

Assim que chegou, foi muito elogiado por Rafael Cordeiro, mentor de Wanderlei. Então passou a dar conselhos para Silva sobre a luta que ele fará contra Vitor Belfort, já que ele o venceu. Silva também lembrou do chute com que nocauteou Vitor.

Anderson: Aquilo foi muito bom. E se não prestar a atenção, vai tomar mais um. (…) É só não andar para trás. Ele é cão, você sabe. (…)P ô, estou o microfone… Mas cara, não estou falando nada que não seja verdade. Todo mundo já sabe.

Em uma das salas do centro de treinamento, os comandados por Belfort se mostraram ressentidos por não terem recebido a visita do campeão.

Daniel Sarafian: Acho que ele não entrou aqui porque achou que o Vitor estava aqui.

Serginho Morares: O problema é a rivalidade com o Vitor, né?

Anderson então realizou o sonho de Leonardo Macarrão, que sempre quis fazer um treino de sparing com ele.

Anderson: Dá uma olhada na saliência. Eu sou um senhor, então me respeita. Vê se não vai me nocautear na frente da câmeras, acabar com a minha reputação.

Ao final do treino, Anderson, Wanderlei e Rafael Cordeiro passaram a fazer uma longa troca de elogios, e o Spider até chamou Wand de “Pelé do MMA”.

Anderson: Temos a nossas divergências, mas isso é esporte. Temos espaço também para as brincadeiras com o Vitor, mas tenho respeito com todos.

Anderson Silva ainda desenhou um coração e um pé na foto do Vitor antes de ir embora.

Ele então voltou no dia seguinte, para a luta entre Serginho Moraes e Delson Pé de Chumbo. Anderson chegou e foi direto para o vestiário do time do Wanderlei para dar apoio para o Pé de Chumbo. Na pequena arquibancada, Anderson comandou a torcida e ficou passando dicas do que fazer na luta, mas não foi o suficiente para evitar a derrota de Delson.

Anderson: Luta é assim, um tem de ter respeito pelo outro e o melhor vence no final e foi isso que aconteceu hoje. Essa é uma oportunidade de mostrar para o mundo o que vocês podem fazer e até ser campeões. Vocês já estão dentro do UFC. Tem de se superar.

Agora, vamos às ponderações do blogueiro:

*Anderson Silva nunca negou que não é muito chegado no Vitor Belfort, ainda mais depois dos entreveros que ele teve antes da luta entre eles. Além disso, ele é muito amigo há muitos anos de Wanderlei Silva e Rafael Cordeiro, apesar das brigas do passado. Ele então não teria o direito de ajudar apenas os lutadores de seus amigos? Ele teria de ajudar os comandados de um desafeto declarado?

*Como um dos grandes campeões do UFC e um dos maiores lutadores de MMA de todos os tempos, Anderson serve de exemplo para muita gente, principal para os jovens lutadores. Ele então não deveria ter tido uma relação igual com os dois lados? Ele não deveria ter pelo menos conversado com os caras do outro lado, lutadores que o admiram como profissional?

Fica oficialmente aberta a temporada de discussões.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL

Correios distribuirão provas do Concurso Unificado

ECONOMIA

Vendas do Tesouro Direto sobem 13% em janeiro

INFRAESTRUTURA

Governo de MS mantém ações voltadas ao desenvolvimento de Ponta Porã

SAÚDE

Grupo vai subsidiar políticas de enfrentamento de mortes no trabalho