sexta, 21 de junho de 2024

Após crise nos Transportes, aprovação de Dilma cai para 67%

Após crise nos Transportes, aprovação de Dilma cai para 67%

10 agosto 2011 - 12h40Por Terra
A aprovação do modo como a presidente Dilma Rousseff (PT) está governando o Brasil caiu de 73% para 67% em julho deste ano, segundo divulgou nesta quarta-feira a pesquisa Ibope da Confederação Nacional da Indústria (CNI). A primeira pesquisa do governo Dilma havia mostrado aprovação de 73% da população. A segunda avaliação foi feita entre 28 e 31 de julho, após a crise no Ministério dos Transportes e no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), com 2.002 pessoas de 141 municípios brasileiros.

Apesar da queda, a presidente continua com avaliação favorável: 48% dos entrevistados consideram o governo ótimo ou bom, contra 12% de pessoas que avaliaram como péssimo. A confiança em Dilma continua com patamar considerado elevado pela CNI, em 65%, mas o percentual é menor que o observado na primeira pesquisa, em março, que foi de 74%. Aumentou, ainda, o número de pessoas que desaprovam (25%) e que não confiam (29%) em Dilma. A aprovação da presidente é mais elevada no Nordeste (70%) e menor no Sul (61%).

Mesmo com a queda na avaliação geral do governo, Dilma Rousseff vem conseguindo desvencilhar a imagem do seu antecessor, Lula. A maioria dos entrevistados (57%) ainda acredita que o governo Dilma está sendo igual ao do ex-presidente, contra 64% medidos na pesquisa de março. No entanto, o percentual de pessoas que acreditam que o governo atual está sendo pior que a gestão Lula mais do que dobrou: passou de 13% em março para 28% em julho. O número de pessoas que acredita num governo Dilma melhor que Lula é praticamente o mesmo em julho e março: 11% e 12%, respectivamente.

Os assuntos mais lembrados sobre o governo Dilma foram a crise no Ministério dos Transportes e do Dnit (21%); a demissão do ministro-chefe da Casa Civil Antonio Palocci e as denúncias sobre seu enriquecimento ilícito e tráfico de influência (14%); a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) em favor da união de casais do mesmo sexo (7%); a morte do ex-presidente e ex-senador Itamar Franco (6%); atrasos nas obras para a Copa do Mundo (5%); e o aumento da inflação dos alimentos (4%).

Para os entrevistados, também houve piora da percepção das notícias relacionadas ao governo Dilma. Caiu o número de pessoas que consideram o noticiário mais favorável (23% em julho contra 33% em março) e aumentou a população que acha que saíram mais notícias ruins sobre o governo (esse percentual saltou de 7% em março para 25% em julho).

Aprovação por área de atuação
A área de atuação do governo mais bem avaliada é o combate à fome e à pobreza, com 57% de aprovação dos entrevistados. Meio ambiente e combate ao desemprego também têm percentual elevado de avaliação, com 52% e 49%, respectivamente. A saúde e os impostos têm 69% de desaprovação cada, e registram a pior avaliação do governo Dilma, além de terem registrado queda na aprovação em relação a março (quando ambos registravam 53% de avaliação negativa dos entrevistados).

Os juros e o combate à inflação também têm elevada taxa de reprovação por parte dos entrevistados, com percentuais de 63% e 56%, respectivamente. A educação também é desaprovada pela população, com taxa de 52%. Outro setor que também foi reprovado pela população foi a segurança pública, com 65% de avaliações negativas.

A crise no Ministério dos Transportes
Uma reportagem da revista Veja do início de julho afirmou que integrantes do Partido da República haviam montado um esquema de superfaturamento de obras e recebimento de propina por meio de empreiteiras dentro do Ministério dos Transportes. O negócio renderia à sigla até 5% do valor dos contratos firmados pelo ministério sob a gestão da Valec (estatal do setor ferroviário) e do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit).

O esquema seria comandado pelo secretário-geral do PR, Valdemar Costa Neto. Mesmo sem cargo na estrutura federal, ele lideraria reuniões com empreiteiros e consultorias que participavam de licitações do governo no ramo.

O PR emitiu nota negando a participação no suposto esquema e prometendo ingressar com uma medida judicial contra a revista. Nascimento, que também negou as denúncias de conivência com as irregularidades, abriu uma sindicância interna no ministério e pediu que a Controladoria-Geral da República (CGU) fizesse uma auditoria nos contratos em questão. Assim, a CGU iniciou "um trabalho de análise aprofundada e específica em todas as licitações, contratos e execução de obras que deram origem às denúncias".

Apesar do apoio inicial da presidente Dilma Rousseff, que lhe garantiu o cargo desde que ele desse explicações, a pressão sobre Nascimento aumentou após novas denúncias: o Ministério Público investigava o crescimento patrimonial de 86.500% em seis anos de um filho do ministro. Diante de mais acusações e da ameaça de instalação de uma CPI, o ministro não resistiu e encaminhou, no dia 6 de julho, seu pedido de demissão à presidente. Em seu lugar, assumiu Paulo Sérgio Passos, que era secretário-executivo da pasta e havia sido ministro interino em 2010.

Além de Nascimento, outros integrantes da pasta foram afastados ou demitidos, entre eles o diretor-geral do Dnit, Luiz Antônio Pagot, o diretor de Infraestrutura Rodoviária do Dnit, Hideraldo Caron - único indicado pelo PT na direção do órgão -, o diretor-executivo do Dnit, José Henrique Sadok de Sá, o diretor-presidente da Valec, José Francisco das Neves, e assessores de Nascimento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

VERDE/SUSTENTAVEL

Gretap: equipe do Governo de MS no Pantanal monitora áreas queimadas em busca de animais feridos

JUSTIÇA

Após voto de Toffoli, STF continua sem decisão sobre porte de maconha

GERAL

Sistema lucrativo sustenta desinformação científica nas redes sociais

DETRAN

Detran-MS inicia novo leilão com Honda CG 2023/24 e Kia Cerato em destaque