Menu
Busca sexta, 22 de outubro de 2021

“Aqui a vida não vale nada”, diz jornalista ameaçado pelo tráfico

15 fevereiro 2012 - 18h10Por CG News
“Aqui a vida não vale nada. Aqui morre uma pessoa importante e vira notícia cinco, quinze dias”. A constatação é do jornalista paraguaio Cándido Figueredo, que vive sob ameaças do tráfico e será intimado para prestar depoimento no inquérito que investiga a morte do jornalista Paulo Rocaro, morto a tiros em Ponta Porã.

Cándido é jornalista do ABC Color em Pedro Juan Caballero, cidade na fronteira entre o Paraguai e Mato Grosso do Sul. Em janeiro deste ano, conforme noticiou o jornal em que Cándido trabalha, ele foi informado por agentes do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), de que traficantes drogas que atuam na região da fronteira entre Brasil e Paraguai planejavam matá-lo.

O jornalista paraguaio lembra que os crimes de pistolagem, famosos na fronteira, terminam sem solução. Sobre Rocaro, que era editor-chefe do Jornal da Praça e diretor do site Mercosul News, Cándido afirma que o conhecia como colega de profissão e avalia que o crime não tenha relação com as ameaças dos narcotraficantes.

“Não tenho bola de cristal, mas o meu caso não tem nada a ver. Sempre trabalhei sobre narcotráfico e contrabando”, salienta. O jornalista tem uma coleção de 11 ossos e dois crânios humanos escavados em cemitérios clandestinos.

Segundo o delegado Odorico Mesquita, que investiga a morte de Rocaro, o jornalista poderá ir de forma espontânea à delegacia do lado brasileiro ou ser ouvido no consulado em Pedro Juan Caballero, cidade na fronteira com Ponta Porã. “Há possibilidade de que [o crime] tenha ligação com as ameaças que ele sofreu”, afirma o delegado.

Paulo Rocaro foi atingido por cinco tiros no domingo à noite, na avenida Brasil, que faz fronteira com o Paraguai, e morreu na madrugada de segunda-feira, no hospital. Ele foi abordado por uma dupla, que estava de motocicleta.

Em 2002, Rocaro publicou o livro “A Tempestade – Quando o crime assume a lei para manter a ordem”. A obra fala de pistolagem e da conivência policial num território dominado pelo tráfico.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
Presidente diz que valor de auxílio foi decidido com responsabilidade
DIREITOS HUMANOS
Morte violenta atinge 6,97 mil crianças e adolescentes por ano no país
LEGISLATIVO DE MS
Neno Razuk solicita a SES estudos para implantação de mutirão de vacinação contra COVID-19
POLÍTICA
CCJ da Câmara aprova suspensão de validade de concursos na pandemia