Menu
Busca terça, 18 de maio de 2021

Banco vai pagar R$ 12 mil a cliente que teve nome inscrito em cadastro

Banco vai pagar R$ 12 mil a cliente que teve nome inscrito em cadastro

09 janeiro 2013 - 17h40
Campograndenews

O juiz titular da 13ª Vara Cível de Campo Grande, Alexandre Corrêa Leite, condenou o Banco Santander a pagar R$ 12.440 a uma cliente que teve o nome inscrito indevidamente em um cadastro de devedores. O banco também deve declarar a dívida inexistente.

Segundo a cliente, em meados do ano de 2006, realizou três contratos de empréstimo junto ao banco réu, mas, em novembro de 2009, recebeu um comunicado do Serasa informando-a que havia uma dívida em seu nome referente a tais contratos.

A cliente Assim foi até uma da agências do Santander e fez um acordo para quitar o valor total da dívida, ficando estabelecido o pagamento de R$ 8.320,00 que poderiam ser pagos em 16 parcelas de R$ 520.

No entanto, mesmo tendo pago as parcelas do acordo, foi enviada outra correspondência para pagamento da dívida, que teria alcançado a quantia equivalente de R$ 107.100,38. Ao tentar contato com o banco réu, foi informada de que havia ocorrido um engano e a situação havia sido regularizada, o que, segundo a autora, não aconteceu.

A cliente afirma que houve repetição de indébito, já que foi cobrada por quantia indevida. Ela cita também que sofreu dano moral com o ocorrido, em razão do seu crédito estar indisponível.

Em contestação, o Banco Santander alegou que não ocorreu a quitação integral do acordo, pois o pagamento da parcela vencida em 30 de janeiro de 2011 somente foi efetuado no dia 31, causando assim, a quebra de acordo entre as partes.

O banco argumenta que havia uma cláusula no contrato, de conhecimento da autora, onde constava que, após o vencimento do pagamento, deveria ser efetuado apenas nas agências do Banco Santander ou por meio de dois números telefônicos indicados e, se não ocorresse tal procedimento, o nome da pessoa seria lançado nos cadastros de inadimplentes.

Ainda em contestação, o banco réu afirma que não há dívida a ser declarada inexistente, pois não houve quitação do contrato e que também não há dano moral a ser indenizado.

Para o magistrado, “ainda que a autora tenha realizado o pagamento após o vencimento, isso ocorreu no dia seguinte, tendo a instituição bancária recebido o pagamento. Vê-se, pois, que o réu (Banco Santander) não contestou o fato de o Banco do Brasil ter recebido o pagamento e, se assim o fez, deu-se por quitada referida parcela, podendo, tão-somente cobrar os encargos decorrentes da mora, o que também não fez”.

O juiz também analisou que “foi exatamente assim que agiu o réu, pois ele, em razão de um pagamento recebido e aceito (efetuado um dia após o vencimento), entendeu ter ocorrido quebra de contrato, inscrevendo o valor total da dívida no cadastro dos órgãos de proteção ao crédito, conduta que se revela desproporcional, abusiva e contrária aos princípios e diretrizes traçados pelo Código de Defesa do Consumidor”.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍTICA
CPI da Pandemia vai pedir que PF apure ameaças recebidas por senadores
CORONAVÍRUS
Com novos lotes, Mato Grosso do Sul soma 1.199.010 doses recebidas da vacina contra COVID-19
TERENOS
PRF apreende seis armas, munições, 830 Kg de maconha e 20 Kg de skunk
ANTÔNIO JOÃO
Polícia Civil prende suspeito de tentativa de homicídio