Menu
Busca terça, 30 de novembro de 2021

Casais com HIV têm filhos saudáveis após inseminação artificial

18 agosto 2011 - 16h00Por Globo.com
Em laboratório, especialistas conseguem isolar o vírus e evitar a contaminação do embrião e do parceiro. Tratamento é feito pelo SUS.

Casais com HIV já podem fazer inseminação artificial pelo SUS para ter filhos saudáveis e sem risco de contaminar os parceiros. O Ambulatório de Reprodução Assistida do Centro de Referência em DST/Aids, em São Paulo, inaugurado em 2010, já atendeu cerca de 150 casais, dos quais 31 estão em fase de tentativa de gravidez e quatro gestações estão em andamento.

Para reduzir ao máximo o risco de contaminação, quando apenas a mulher é soropositiva, é feita uma inseminação artificial comum, em que o sêmem é colocado na parceira com o uso de uma seringa. Se o homem for soropositivo (ou o casal), antes da inseminação, é feita uma “lavagem de esperma”, procedimento que separa o HIV do sêmem em laboratório. “Fazemos um exame de carga viral para certificar que não há mais vírus e só depois é feita a inseminação. Com estes cuidados, a chance de contaminação é bem próxima de zero”, diz a infectologista Rita Sarti, coordenadora do ambulatório.

A médica ressalta que antes de engravidar, o casal tem que se planejar e é essencial que a pessoa soropositiva esteja em tratamento constante. “Tem que tomar os remédios e estar com uma carga viral indetectável, sem infecção oportunista e com uma contagem de células de defesa estável”, afirma.

A professora Luciana*, de 35 anos, é casada com um homem soropositivo e procurou o ambulatório para ter filho. Na primeira inseminação, ela engravidou e agora está no quarto mês de gestação. “O processo foi muito rápido e muito seguro. Já fiz os exames de HIV e deu tudo negativo”, diz a professora. “Já tínhamos procurado clínicas particulares, mas era muito caro. É a realização de um sonho para mim e pro meu marido”.

A gravidez de Luciana agora segue normalmente. No caso de mães soropositivas, os cuidados continuam até os primeiros dias de vida do bebê. “Na hora do parto, o nenê recebe um coquetel de remédios e fazemos um teste rápido de HIV para ver se não houve contaminação”, diz o Dr Waldemar Carvalho, coordenador do Centro de Reprodução Assistida (Crase) da Faculdade de Medicina do ABC, que trabalha em parceria com o ambulatório.

O médico conta que no Brasil, 80 crianças saudáveis já nasceram graças ao processo de inseminação artificial e que nos últimos 6 anos, não houve um único caso de contaminação. Mas ressalta que o serviço gratuito ainda é pouco conhecido pelos casais soropositivos. “Muitas vezes, eles têm relações sexuais sem proteção para ter filhos e se expõe ao risco de contaminação desnecessariamente”. O Ambulatório de Reprodução Assistida atende pacientes de todo o Estado de São Paulo. Funciona todas as sextas-feiras, a partir das 7h. Quem quiser se inscrever, pode ligar para (11) 5087 9889.

*o nome da personagem foi trocado para preservar a sua identidade

Deixe seu Comentário

Leia Também

REGIÃO
Indivíduo preso por ameaçar esposa com faca possuía dois mandados de prisão
SAÚDE
Ministério lança campanha de combate ao mosquito da dengue
SÃO GABRIEL DO OESTE
Policiais civis cumprem cinco mandados de prisão por tráfico de drogas
BRASIL
Governo pede devolução de auxílio emergencial recebido indevidamente