sexta, 23 de fevereiro de 2024

Com juros em queda, BC espera que endividamento das famílias recue em breve

Com juros em queda, BC espera que endividamento das famílias recue em breve

25 maio 2012 - 14h21
Agência Brasil

Dados preliminares do Banco Central (BC) mostram que a queda das taxas de juros manteve o ritmo neste mês. Até 14 de maio, a taxa média do crédito para empresas e pessoas físicas caiu para 33,7% ao ano, redução de 1,6 ponto percentual em relação a abril. Se esse patamar se confirmar no fechamento do mês, será o mais baixo já registrado pelo BC, que foi 33,8% ao ano em dezembro de 2007.

No caso das empresas, a taxa média anual caiu 0,9 ponto percentual, para 25,4% ao ano. Para pessoas físicas, a redução foi 2 pontos percentuais, para 40,1% ao ano.

Essa queda nos juros é decorrente da redução do spread, diferença entre a taxa de captação e a cobrada de quem pega empréstimo, que caiu 1,1 ponto percentual na comparação entre abril e o dado preliminar de maio. Para pessoas físicas, a redução foi 1,4 ponto percentual e, para as empresas, 0,6 ponto percentual.

Os cortes feitos pelo BC na taxa básica de juros, a Selic, que serve de referência para as demais taxas, também se refletem no custo dos financiamentos. Agora, os bancos estão repassando esses cortes para as taxas cobradas dos clientes. Atualmente a Selic está em 9% ao ano.

O chefe do Departamento Econômico do BC, Tulio Maciel, disse que o BC não via quedas mensais tão expressivas das taxas de juros e de spread desde 2009, com exceção de períodos de greve bancária. Segundo explicou, quando o sistema bancário para por força de movimentos grevistas, as pessoas tomam crédito pré-aprovado com taxas mais altas e, quando o sistema volta a operar normalmente, os juros médios caem porque há acesso a operações com custos menores. “Fora isso, vimos reduções significativas mensais no início de 2009, naquela conjuntura de crise [econômica internacional]”, disse.

Na avaliação de Maciel, o crédito mais barato vai contribuir para a redução da inadimplência. “Nossa expectativa é que isso [inadimplência] venha a se acomodar e arrefecer à frente”. Mas ressalvou que o BC está atendo ao “patamar relativamente alto” da inadimplência.

Os dados divulgados hoje mostram que as dívidas não pagas das famílias voltaram a aumentar em abril. De março para o mês passado, a taxa de inadimplência teve alta de 0,2 ponto percentual, para 7,6%, atingindo o mesmo nível do início do ano. Esse patamar é o maior desde dezembro de 2009, quando ficou em 7,7%. O BC considera inadimplência o percentual do saldo com atraso superior a 90 dias. No caso das empresas, a inadimplência ficou estável, em 4,1%.

Deixe seu Comentário

Leia Também

EDUCAÇÃO

Com 4,1 milhões de matrículas, Brasil avança na meta para creches

ECONOMIA

Arrecadação federal chega a R$ 280,63 bilhões em janeiro

GERAL

Governo regulamenta certificação de comunidades terapêuticas

ECONOMIA

Receita abre consulta a lote residual do Imposto de Renda