Menu
Busca terça, 26 de outubro de 2021

Corpo do traficante Marcelinho Niterói será sepultado no RJ

02 novembro 2011 - 22h13Por O Dia
O corpo do traficante Marcelo da Silva Leandro, o Marcelinho Niterói, 34 anos, será sepultado hoje, no Cemitério Nossa Senhora das Graças (Tanque do Anil), na Vila Operária, em Duque de Caxias, Baixada Fluminense. O criminoso foi morto na noite desta terça na favela Parque União, no Complexo da Maré, na Zona Norte, numa operação da Polícia Federal e do Batalhão de Operações Especiais (Bope), com apoio da Polícia Civil.

Jeferson Douglas Silva dos Santos, 23, também foi morto na ação. Segundo sua irmã, que o levou para o Hospital Federal de Bonsucesso, ele era militar do Exército até dois meses atrás. Informações da polícia dão conta de que ele seria segurança de Marcelinho. Rodrigo Marinho, de 18 anos, e um outro homem, não identificado, ficaram feridos.

O corpo de Jeferson será sepultado nesta quarta-feira, às 16h30, no Cemitério da Cacuia, na Ilha do Governador. Parentes dizem que as vítimas não tinham envolvimento com criminosos. A polícia, contudo, afirma que os acusados tinham ligação com o tráfico de drogas. A Polícia Federal divulgou nesta quarta-feira material apreendido durante operação que resultou na morte de Marcelinho Niterói, 34 anos.

Nesta quarta-feira, o clima é de aparente tranquilidade na comunidade. Policiais militares ocupam pontos estratégicos da favela e helicópteros sobrevoam a região. De acordo com policiais, o bandido, que era considerado o principal traficante do Comando Vermelho em liberdade, reagiu à prisão e foi atingido por dois disparos, um na cabeça e outro na barriga. Com ele, a polícia apreendeu duas pistolas — uma calibre 45 e 9mm — além de droga ainda não contabilizada.

O traficante vinha sendo monitorado pela Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), da PF, havia algumas semanas. Com o avanço das investigações, os policiais chegaram até o endereço onde ele se escondia, na rua Ari Leão, na Favela Parque União.

Quando os agentes chegaram à rua, Marcelinho tentou fugir a pé e diversos bandidos que faziam sua segurança dispararam contra um comboio de policiais federais, militares (do Bope) e civis que prestavam apoio à operação, incluindo helicóptero blindado.

A casa onde o traficante se escondia fica próximo a um Ciep que não estava aberto no momento do confronto. Durante toda a noite, chegaram boatos de que o chefe do tráfico no Parque União, Jorge Luiz Moura, o Alvarenga, também estaria baleado. Mas a informação não foi confirmada. Alvarenga é concunhado de Marcelinho e oferecia abrigo ao traficante.

Criminoso coordenava transporte de cocaína e distribuição
O Complexo da Maré, ocupado há pouco mais duas semanas pelo Bope, tornou-se nos últimos três anos o Quartel-General da quadrilha de Beira-Mar no Rio. Marcelinho Niterói era acusado de transformar o Parque União, uma das 15 favelas da Maré, no principal entreposto de drogas e armas do grupo.

Segundo a polícia, ele coordenava as rotas de transporte de cocaína e maconha que chegavam do Paraguai e Bolívia, e sua distribuição, conforme O DIA publicou domingo. Marcelinho usava o local como esconderijo desde a ocupação da Força de Pacificação no Complexo do Alemão. O Disque-Denúncia oferecia R$ 2 mil por informações sobre o paradeiro dele.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPERAÇÃO BOCAIÚVA
PMA prende e autua paranaense transportando filhotes de papagaios retirados ilegalmente dos ninhos
CONCURSO PÚBLICO
Governo abre processo seletivo para contratar analista previdenciário com salário de R$ 4,1 mil
JUSTIÇA
Corregedor pede ao STF compartilhamento de provas sobre fake news
INFRAESTRUTURA
Governo do Estado dá início a construção de quatro pontes em áreas estratégicas de MS