Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021

CPI sugere que Caixa Econômica feche cerco a construtoras irregulares

CPI sugere que Caixa Econômica feche cerco a construtoras irregulares

06 outubro 2011 - 19h52Por CG News
A Caixa Econômica Federal deve adotar procedimentos para fechar o cerco e não liberar financiamentos a construtoras que descumprirem relações trabalhistas e qualquer outra irregularidade.

Esta foi uma das principais ideias debatidas na tarde desta quinta-feira durante a primeira audiência pública da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) realizada no Plenarinho da Assembleia Legislativa.

Um dos titulares da comissão, o deputado Cabo Almi (PT) afirmou que a medida não acabaria com as irregularidades no setor, mas reduziria significativamente.

Além disso, o petista afirmou que lhe chamou atenção as inúmeras denúncias de irregularidades recebidas pela CPI até agora, com más condições de trabalho e com empregados que utilizam até entorpecentes e bebidas alcoólicas em canteiros de obras.

O presidente da comissão, deputado Maurício Picarelli (PMDB), considerou positiva a primeira audiência e destacou que os depoimentos desta quinta confirmaram as denúncias recebidas.

Segundo o parlamentar, existem irregularidades na relação entre as construtoras e microempresas. Ele afirma que teve acesso aos contratos e, conforme o peemedebista, os termos protegem as construtoras e sobrecarregam de obrigações as pequenas empresas.

“O microempresário é tão vítima quanto alguns trabalhadores. A construtora contra a pequena empresa e joga nela todas as obrigações trabalhistas com os empregados”, explicou, revelando que alguns trabalhadores são demitidos antes do encerramento do período de experiência, manobra que desobriga as empresas a cumprir obrigações trabalhistas.

Picarelli destaca que, uma das principais propostas da CPI, após conclusão do relatório final, será propor modificações na relação de contrato entre construtoras e microempresas, mesmo em casos que os termos sejam de competência federal.

Já para o deputado Paulo Corrêa (PR) uma das principais alternativas é promover parceria com o Crea (Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura) para que o órgão auxilie na fiscalização das obras.


Outro lado - Convocado pela CPI, o superintendente da Caixa em Mato Grosso do Sul, Paulo Antunes, diz que o órgão faz acompanhamento rigoroso de empreendimentos que libera financiamentos.

No entanto, Antunes frisou que a fiscalização das relações trabalhistas e da relação de pequenos construtores foge da competência da Caixa.

Ele se refere a construtores individuais que constroem e vendem para clientes que acabam recorrendo à instituição para comprar a residência. Segundo o superintendente, de 10 mil novas casas em Campo Grande, 4,5 mil são pequenos construtores.

“A Caixa é agente financeiro e pode contribuir com a CPI fornecendo esclarecimentos sobre modalidades de financiamento e quais são as relações com construtoras, consumidores e o mercado”, destaca.

Sobre a liberação de recursos a construtoras, Antunes ressalta que a verba é disponibilizada de forma fracionada ao longo do tempo de execução da obra com prazo máximo de 25 meses. As parcelas só são liberadas se a obra passar pelo crivo de técnicos da Caixa, garante Antunes.

Depoimentos - Um dos relatos ouvidos pela comissão nesta quinta-feira foi o trabalhador Rodrigo de Oliveira Garcia. Ele relatou que foi contratado por uma construtora para ser eletricista e que chegou a atuar em funções que não eram dele.

“Era obrigado a trabalhar em dia de chuva sem capa, quebrar paredes, cavar buraco, descarregar caminhão. Além disto não recebi por horas extras até hoje”, diz ele, complementando que recorreu à Justiça contra a empresa para exigir o cumprimento dos direitos trabalhistas.

Outro trabalhador ouvido foi o montador de estruturas metálicas Alisson Luiz dos Santos Burgadt. Ele denunciou que seu contrato não durou nem 45 dias. A situação piorou já que ele veio de Ponta Grossa (PR) para Campo Grande em busca de oportunidade.


“Entrei com a promessa de receber R$ 2 mil de salário, mas recebi apenas R$ 1,5 mil atrasados e em parcelas”, afirmou. “Estou passando necessidades e há dez dias só como bolacha com água”, contou, destacando que cerca de 20 funcionários também ficaram desempregados sem qualquer vínculo empregatício.

Já o auditor fiscal do Ministério do Trabalho e Emprego, Walace Pacheco, que também depôs a CPI, disse que as irregularidades na construção civil têm aumentado proporcionalmente ao crescimento do setor.

Segundo ele, de janeiro a setembro o órgão realizou 475 fiscalizações para apurar possíveis irregularidades e que as principais delas são más condições do meio ambiente de trabalho e descumprimento nas relações trabalhistas.

Mau uso de equipamentos de proteção, locais inadequados, sem água potável, alto número de trabalhadores sem carteira assinada, ou seja, na informalidade, e irregularidades no depósito de FGTS são as principais constatações dos fiscais, afirma Wallace. O primeiro passo é advertir a empresa irregular e conceder prazo para resolver o problema e depois os empregadores podem ser multados.

O auditor acredita que os trabalhos da CPI vão ajudar no redirecionamento da fiscalização do ministério no setor.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Pfizer entrega mais 1,3 milhão de doses de vacina ao Brasil
CULTURA
Festival da Literatura Indígena terá palestras, oficinas e música
ECONOMIA
Crescem reclamações sobre cobranças indevidas de crédito consignado
POLÍCIA
PMA de Dourados prende e autua dois pescadores por pesca e transporte de pescado ilegal