Menu
Busca segunda, 21 de junho de 2021

Em carta, mãe de detento exige que Phac cumpra Direitos Humanos

26 abril 2012 - 09h35Por Dourados News
“(...) temos muito medo de reprezarias, (...) por que apesar de artigo [da lei] ou facção somos todos seres humanos e erramos, sim erramos e estamos aqui para pagar nossos erros e um dia desfrutar de nossa liberdade novamente, mas sem opressão policial, por isso peço ajuda da senhora [mãe], te amo muito e peço que fique tranquila por que se Deus quiser tudo isso vai mudar.”

Esse é um trecho da carta escrita por um do detento, de 19 anos, do Linear B-II, da Phac - Penitenciária Harry Amorin Costa, para sua mãe, de 47 anos (ela pediu para que não tivesse o nome divulgado).

Depois de publicado ontem (24/04) no jornal Diário MS a carta de denúncia dos detentos, que dizia que buscavam ajuda dos Agentes Penitenciários, pois um preso que passava mal, porém não foram atendidos e foram mal tratados, e da declaração do diretor da Phac, Joel Rodrigues Ferreira, a “mãe revoltada”, procurou a OAB com a carta do filho em mãos e foi orientada a fazer uma carta de resposta, ao que o diretor havia dito.

O diretor disse que “os detentos querem fazer rebelião e desestabilizar a direção, mas o que buscamos é justamente evitar rebelião ou qualquer tipo de violência maior, que é incitada pelo abuso de alguns agentes”, observou a mãe ao Dourados News.

Tanto na carta do filho como da mãe são mostrados que os detentos não querem violência, tanto que “eles buscavam socorro a outro companheiro de cela de todas as formas possíveis, o que já mostra que mesmo lá dentro não perderam todos os conceitos passados pela família, no caso a solidariedade”, diz ela. A mãe ressaltou com indignação, um trecho da carta do filho, que diz que ao chegar à cela os policiais disseram que “se o interno morresse a sociedade só teria a agradecer e começou a xingar todo mundo”.

Ela continua dizendo que quando o seu filho sair de lá quer que ele esteja melhor, “não pior do que entrou”, por isso ela cobra os projetos de estudos e trabalhos, que são direitos de todos os detentos, garantidos pela lei de Execução penal, no artigo 41, mas só são concedidos a uma pequena parte deles. “Pois o sistema penitenciário acha que alguns fazem parte de facção. Precisamos de alguém que lute por essa causa e busque junto ao governo uma penitenciária com postos de trabalho para todos, não para alguns, bibliotecas, palestras, debates ensino profissionalizante, para que o detento não saia pior do que entrou”, diz a carta da mãe.

O detento pede para a mãe levar a carta para alguma autoridade, pois ele alega que os presos estão sendo “perseguidos e sequestrados, tem três companheiros daqui da galeria que sumiram e devem estar de castigo lá no Raio I no cadeado. Lá eles são torturados e ficam isolados, não tem direito a nada (...) estamos sem banho de sol há uma semana e não sabemos quando teremos visita novamente... (sic)”.

A mãe, que visitou seu filho há mais de dez dias, pede para que os direitos humanos sejam respeitados e que apesar do filho dela ter cometido um crime “ele está lá pagando por isso, e eu quero que ele saia melhor!” afirmou.
Entenda o caso

Segundo a carta do detendo um companheiro de cela que sofre de epilepsia teve um “ataque” e como é de praxi os detentos batiam nas grades e gritavam para que os agentes pudessem ouvir e socorrer o detento. Porém eles ficaram batendo das 19h às 21h, sem nenhum agente penitenciário descer para socorrê-lo.

O jovem relata na carta que o companheiro estava passando mal de verdade e pensaram que ele iria morrer, como não conseguiam mais chutar as grades para chamar a atenção dos policiais atearam fogo nos cobertores para chamara a atenção dos Policiais Militares da Guarita “quando eles chegaram até aqui nós gritamos “desesperados” foi onde os agentes disseram que se o interno morresse a sociedade só teria a agradecer e começou a nos xingar, mas mesmo assim tiraram o interno e trouxeram de volta para a galeria ao invés de o deixar em repouso, ele nos falou que chegando lá em baixo ele foi espancado, levou vários choques e não teve nenhum atendimento... (sic)”, escreveu o detento.

Deixe seu Comentário

Leia Também

OPORTUNIDADE
Processo Seletivo para contratação de Analista de Medidas Socioeducativas está com inscrições aberta
LAGUNA CARAPÃ
Homem que seguia para Campinas com mais de 70 quilos de maconha foi preso pelo DOF
IMUNIZAÇÃO
Secretaria de Estado de Saúde distribui aos municípios 97.500 doses da vacina da Astrazeneca
CAARAPÓ
Policia Civil fecha ponto de distribuição de drogas