Menu
Busca terça, 13 de abril de 2021

Empréstimo agrícola terá novas regras no País a partir de julho

Empréstimo agrícola terá novas regras no País a partir de julho

26 dezembro 2011 - 10h05Por Agência Estado
O governo decidiu alterar a "bíblia do financiamento" do setor agrícola. A atualização do Manual de Crédito Rural (MCR) pretende simplificar as normas de concessão de empréstimos, unir linhas, extinguir instrumentos e criar outros. Com as mudanças, aumenta o poder de monitoramento sobre o real destino dos recursos usados para subvenção do campo.

O novo documento deve ser sacramentado por um colegiado do governo, o Conselho Monetário Nacional (CMN), em janeiro. As novas regras passam a valer no início da próxima safra, em julho. Um dos principais pontos de alteração serão os instrumentos de financiamento de estocagem para a agricultura.

Com eles, aumenta para o agricultor a possibilidade de "segurar" a produção e esperar o momento mais atrativo de remuneração, evitando que os estoques sejam desovados logo após a colheita, período de maior baixa de preços, apenas pela necessidade de capital de giro do produtor.

Assim, a partir do próximo ciclo agrícola, deixam de existir as operações de Empréstimo do Governo Federal (EGF) e as Linhas Especiais de Crédito (LEC), destinadas a apoiar a estocagem tanto por parte de produtores como da agroindústria.

No lugar desses instrumentos entram dois mecanismos. Um será voltado para financiar a estocagem de produtos amparados pela política de preços mínimos de garantia, o FEPM. O outro é destinado para os produtos contemplados hoje pela LEC: o Financiamento de Estocagem Especial (FEE).

A separação dos recursos para "dentro e fora da porteira" facilitará a concepção de uma política agrícola mais eficiente, na opinião do principal responsável pelas reformulações, Gilson Bittencourt.

Ele deixou a Secretaria Adjunta de Política Econômica do Ministério da Fazenda em 15 de dezembro para assumir a Secretaria Executiva Adjunta da Casa Civil. "Hoje, com EGF e LEC, ficamos sem saber para onde exatamente os recursos vão", afirmou.

Agroindústria. Além disso, as indústrias passarão a contar com o Financiamento para Garantia de Preços ao Produtor (FGPP). "O foco desse instrumento é financiar a agroindústria desde que garanta preço mínimo ou especial, quando for determinado, para os produtores", explicou Bittencourt.

Com a separação, o secretário acredita que o governo saberá quanto está dando para a agroindústria e cooperativa, ou diretamente para o produtor. "O governo identificará os agricultores que venderam para a indústria e saberá quais produtos e quantidades de determinada safra já têm garantia", afirmou.

Os seis meses entre a aprovação e a entrada em vigor do manual serão usados para que as mudanças sejam absorvidas pelos produtores, a indústria e os agentes financeiros, na avaliação do secretário. "Esta foi minha última missão na Fazenda", disse.

Deixe seu Comentário

Leia Também

GERAL
Entra em vigor parte dos decretos que ampliam acesso a armas de fogo
ESTÁGIO REMUNERADO
Está em andamento 1ª fase do Processo de Seleção de acadêmicos da PGE
REGIÃO
Polícia militar prende homem em flagrante por estupro de vulnerável em Rio Verde
ORDEM DO DIA
Aprovada autorização de venda de arma a policial aposentado