Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021

Fazendeiro é condenado a 14 anos de prisão por matar tratorista

Fazendeiro é condenado a 14 anos de prisão por matar tratorista

30 agosto 2011 - 10h58Por Dourados Informa
Por quatro votos a três, o fazendeiro Ademar Alves de Almeida, 79 anos, acusado de matar o tratorista José Batista de Souza, 51 anos, no final de janeiro de 2010, foi condenado a 14 anos de prisão, em julgamento realizado na noite de segunda-feira (29), no Tribunal do Júri de Dourados.

A defesa representada pelo advogado criminalista Issac Barros Júnior, assistido pelo colega Givaldo Santos, recorreu da sentença em plenário e por isso, o réu deverá aguardar o recurso em liberdade.

Caso

Contratado para prestar serviços na fazenda Santa Maria, Batista estava descumprindo o acordo e não realizava as tarefas que Ademar lhe atribuía.

Segunda a defesa durante o julgamento, o acusado solicitou diversas vezes aos superiores do tratorista que tomassem alguma providência para que os trabalhos pudessem prosseguir, porém não foi atendido.

Certo dia, avisado pela esposa, Ademar soube que Batista havia abandonado a limpeza de valetas e teria ido embora sem dar nenhuma satisfação.

O fazendeiro subiu em sua camionete e partiu atrás do funcionário para cobrar explicações. De acordo com a defesa, os dois se encontraram nas proximidades do quilômetro dez da rodovia Ministro Pestana, no distrito de Itahum. Começou então uma troca de ofensas e a vítima desceu do trator com uma chave de ferro na mão.

Temendo por sua integridade física Ademar pediu para que Batista ficasse onde estava, mas não foi atendido e disparou, a cerca de meio metro de distância. Após o crime, ele se apresentou espontaneamente no 1° Distrito Policial de Dourados.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CASSILÂNDIA
PM prende pai e filho: o pai em cumprimento de Mandado de Prisão e o filho por furto
LOTERIA
Mega-Sena sorteia R$ 20 milhões neste sábado
TRÊS LAGOAS
Polícia Militar prende homem por comércio e porte ilegal de arma de fogo
BRASIL
Marinha: três navios são suspeitos por manchas de óleo no NE em 2019