Menu
Busca terça, 03 de agosto de 2021

"Maníaco da Cruz"; decisão sobre liberdade fica para semana que vem

"Maníaco da Cruz"; decisão sobre liberdade fica para semana que vem

09 outubro 2011 - 21h29Por Capital News

Continua apreendido na Unei (Unidade Educacional de Internação) de Ponta Porã, o jovem conhecido como “maníaco da cruz” de 19 anos.

Como ele completou no dia 8, o tempo máximo de internação que é de três anos poderia ganhar a liberdade desde que obtivesse uma ordem judicial.

Ocorre que o pedido de liberdade protocolado pelo defensor público Eduardo Mondoni ainda não foi julgado.

Segundo ele, o pedido só deverá ser avaliado pela Vara Civil da Infância e Juventude de Ponta Porã na próxima semana, após o feriado.

O defensor solicitou a liberdade, ou que a Justiça conceda, pelo menos, uma semi-liberdade ou liberdade assistida.

“Ninguém pode ficar internado por mais de três anos”, argumenta.

Segundo ele, a Justiça já pediu um laudo psiquiátrico do rapaz, o que ainda não ficou pronto. “Estou pedindo que independente do exame, ele seja liberado ou, pelo menos, adotada uma medida mais branda do que a internação”, disse.

O advogado não opina sobre o quadro psicológico do jovem. Porém, informações de fontes da segurança pública, apontam que ele tem bom corportamento na Unei de Ponta Porã.

O pedido seria analisado pela juíza Larissa Castilhos Silva Farias, mas ela entrou em férias. Na semana que vem, caberá a algum juiz substituto decidir sobre o pedido de liberdade do jovem.

O caso


O adolescente foi detido no dia 10 de outubro de 2008, em Rio Brilhante. O rapaz confessou o assassinato das três pessoas depois de considerá-las “perdidas”.

As vítimas eram asfixiadas e colocadas em posição de crucificação.

Entre as vítimas do “Maníaco da Cruz” estava o pedreiro Catalino Gardena, morto no dia 24 de julho de 2008.

No dia 24 de agosto foi encontrado o corpo da frentista Letícia Neves de Oliveira, de 22 anos, e no dia 3 de outubro de 2008, o corpo de Gleici Kelli Silva, de 13 anos.

O rapaz relatou que no caso das duas jovens ele fez um questionário, em que avaliou a 'pureza' das vítimas. Como ele as considerou perdidas, as duas foram assassinadas.

No caso de Gardena, a morte aconteceu após tentativa de prática sexual.

Gleice Kelly da Silva, de 13 anos, foi a última vítima do “Maníaco da Cruz”.

Uma garota conhecida como “Carla”, de 17 anos, foi a única vítima que escapou com vida do assassino.


Deixe seu Comentário

Leia Também

DETRAN
Contran divulga novas regras para sistema de segurança de caminhões basculantes
SAÚDE
Brasil registra 1ª cirurgia contra diabetes tipo 2 feita com robô
ESPORTES
Brasil e México decidem vaga na final de Tóquio
PARANAÍBA
Polícia Militar recupera veículo furtado