Menu
Busca quinta, 13 de maio de 2021

MPF denuncia 19 pessoas pelo assassinato do cacique Nisio Gomes

MPF denuncia 19 pessoas pelo assassinato do cacique Nisio Gomes

26 novembro 2012 - 16h10
Campograndenews

Dezenove pessoas, entre elas fazendeiros, advogados e um secretário municipal, foram denunciadas pelo MPF (Ministério Público Federal) em Mato Grosso do Sul por envolvimento no homicídio do cacique guarani-Kaiowá Nízio Gomes, morto durante conflito em 2011, no acampamento Guaiviry, de propriedade rural, localizado na área de mata nativa, às margens da rodovia MS-386, entre os municípios de Ponta Porã e Aral Moreira.

Os envolvidos agora respondem como réus por vários crimes relacionados à tentativa de expulsão dos indígenas do acampamento.

As investigações apontam que após a ocupação da área de mata da fazenda pela comunidade indígena, em 1º de novembro do ano passado, um grupo iniciou planejamento com o objetivo de expulsar os indígenas do local.

De acordo com o MPF, a ação teve início na madrugada do dia 18 de novembro. O grupo teria chegado a trilha que dá acesso ao interior do acampamento e abordado o cacique Nízio Gomes, de 55 anos, que teria resistido. Teve início o confronto e Nízio foi alvejado e morto. O corpo do indígena até hoje não foi encontrado.

Mesmo sem localização do corpo e de restos mortais, para o MPF há provas e indícios suficientes do homicídio qualificado do cacique. Além das declarações de réus e do depoimento de testemunhas, o laudo pericial apontou a existência de vestígios de sangue em fragmentos de madeira e na terra do interior da trilha do Tekoha Guaiviry. Exame de DNA confirmou se tratar de “perfil genético de indivíduo do sexo masculino, geneticamente relacionado à mãe e aos filhos de Nízio Gomes”.

Investigação – Conforme a acusação, no dia 18 de novembro, um grupo munido com seis armas de fogo, calibre ponto 12, coordenado por Aurelino Arce, se deslocou da Fazenda Maranata até a Fazenda Nova Aurora. O grupo era composto por Josivan Vieira de Oliveira, Juarez Rocanski, Jerri Adriano Pereira Benites, Wesley Alves Jardim, Nilson da Silva Braga, Edimar Alves dos Reis, Robson Neres de Araujo e Marcelo Benitez.

Ao chegarem ao acampamento o grupo abordou Nízio Gomes, que resistiu a tentativa de retirada do grupo com um golpe no dorso do pé de Josivan. Juarez, Josivan, Jerri, Edimar, Robson e Marcelo iniciaram o tiroteio contra os indígenas.

Segundo as investigações, Jerri Adriano foi quem matou Nízio Gomes durante o tiroteio. O indígena Jhonatan Velasques Gomes também foi atingido no confronto. Nilson, Eugênio Benito Penzo e uma pessoa ainda não identificada, deram apoio para Robson, Juarez, Edimar, Jerri e Wesley carregarem o corpo de Nízio até uma caminhonete S-10, de cor escura, conduzida por Aparecido Sanches.

Sanches transportou o corpo do indígena ao lado de outras duas pessoas, que também não foram identificadas. O cadáver nunca foi encontrado.

Idelfino Maganha, Cláudio Adelino Gali, Aparecido Sanches, Samuel Peloi, Levi Palma, Dieter Michael Seyboth e Osvin Mittanck são acusados de ser os responsáveis em planejar a retomada da área, contratando Aurelino Arce, proprietário da empresa Gaspem Segurança. Idelfino, Samuel e Osvin são acusados de oferecer dinheiro ao indígena Dilo Daniel, para que ele sustentasse a versão da vítima estar viva e morando no Paraguai.

Aurelino, Ricardo Alessandro Severino do Nascimento, André Pereira dos Santos, Josivan, Jerri, Wesley, Nilson, Juarez, Edimar, Marcelo e Eugênio são acusados de formação de quadrilha para cometer crimes, atuando em questões relativas a conflitos fundiários entre indígenas e proprietários rurais.

A juíza federal Lisa Taubemblatt citou todos os acusados e deu o prazo de 10 dias para a defesa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORUMBÁ
Polícia Militar evita suicídio de homem, e o prende após violência doméstica
LOTERIA
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 33 milhões
CAPACIDADE
Subjuv abre inscrições para curso de desenvolvimento de aplicativos
SAÚDE
Covid-19: Brasil registra 76.692 casos e 2.494 mortes