Menu
Busca quinta, 13 de maio de 2021

Mujica faz discurso emocionado ao lembrar do gênio Niemeyer

Mujica faz discurso emocionado ao lembrar do gênio Niemeyer

07 dezembro 2012 - 16h20
Agência Brasil

Em discurso emocionado durante a Cúpula de Chefes de Estado do Mercosul, o presidente do Uruguai, José Pepe Mujica, fez hoje (7) uma homenagem ao arquiteto Oscar Niemeyer, ao lembrar de quando era jovem e conheceu o "gênio da arquitetura".

Bem-humorado, Mujica contou como foi o encontro. “Tive de fazer uma viagem ao Brasil para um encontro clandestino e me disseram: 'Tem lá um velho que é um gênio'. Eu não sabia ainda quem era essa glória da América Latina que acaba de morrer”, disse Mujica, arrancando aplausos dos presentes.

“Junto ao gênio da arte, havia um homem que se manteve firme, vivendo [em combate contra] ditaduras e os disparates que se sucederam”, disse Mujica, lembrando da atuação política de Niemeyer. “Nós representamos a chegada da esquerda ao governo”, concluiu o presidente uruguaio.

Niemeyer morreu anteontem (5), no Rio de Janeiro, vítima de complicações renais e desidratação. Ele estava internado desde o mês passado sob sedação e respirando com auxílio de aparelhos. Antes de Mujica, a presidenta Dilma Rousseff homenageou o arquiteto lembrando o legado que ele deixou para a humanidade.

Participam da cúpula além de Dilma e Mujica, os presidentes Evo Morales (Bolívia), Cristina Kirchner (Argentina), Rafael Correa (Equador), Donald Ramotar (Guiana) e Desi Bouterse (Suriname); além da vice-presidenta do Peru, Marisol Cruz, e dos vice-chanceleres Alfonso Silva (Chile) e Monica Lanzetta (Colômbia). O ministro de Minas e Energia da Venezuela, Rafael Ramírez, representa o país no encontro.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MIRANDA
Polícia Militar tira duas armas de fogo irregulares de circulação
LEGISLATIVO
Deputados devem votar quatro projetos em segunda discussão nesta quinta-feira
SAÚDE
Novo lote de vacinas da Pfizer chega ao Brasil
CORUMBÁ
Polícia Militar evita suicídio de homem, e o prende após violência doméstica