Menu
Busca quinta, 05 de agosto de 2021

Neymar admite que seleção brasileira precisa jogar mais

Neymar admite que seleção brasileira precisa jogar mais

15 setembro 2011 - 10h07Por UOL
Neymar era, ao lado de Ronaldinho, o principal nome do clássico entre Brasil e Argentina em Córdoba, em partida realizada na quarta-feira (14). Mas o atacante do Santos não conseguiu corresponder tudo aquilo que se esperava.

Mesmo sendo o mais acionado no time de Mano Menezes, ele produziu pouco e errou muito. Assim, reconhece que em Belém (PA) a seleção vai precisar jogar bem mais.

“Entrosamento é a palavra chave. Tivemos um treino só. E por isso, acho que fomos muito bem. No jogo de volta temos que mostrar mais”, disse Neymar, na zona mista do estádio Mario Alberto Kempes.

Segundo números do Datafolha, Neymar recebeu a bola 48 vezes. Ronaldinho, por exemplo, foi acionado em 37 momentos. E Leandro Damião em apenas sete. E destas quase cinquenta chances, o garoto errou 16. Disparado o de pior desempenho.

Enquanto Leandro Damião acertou a trave duas vezes, Ronaldinho distribuiu passes e cobrou uma falta perigosa, Neymar só finalizou uma vez. Sem perigo algum. O jovem só conseguiu duas jogadas de linha de fundo, mas teve êxito em 12 dos 14 dribles que arriscou em campo.

Para Neymar, o entrosamento com Ronaldinho e Leandro Damião ainda precisa vir. “A gente vem se conhecendo melhor, fazendo tabelas. Esse entrosamento vai crescer ainda mais”, opinou o jogador.

Além do camisa 11, outros jogadores se escoraram no pouco tempo de trabalho para burlar a atuação fraca. “Todo mundo já sabia que ia ser dessa forma. Todo mundo espera que saia gols, que tenha bom jogo. Mas é Brasil e Argentina e ninguém quer perder também”, comentou Ronaldinho.

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAÚDE
Butantan recebe matéria-prima para 8 milhões de doses de vacina
ESPORTES
Vôlei: Brasil perde para Comitê Russo e se despede da briga pelo ouro
PONTA PORÃ
PM prende homem após violência doméstica e posse ilegal de munições
LEI
Líderes religiosos são incluídos na prioridade da vacinação contra Covid-19