Menu
Busca domingo, 17 de outubro de 2021

Acidente envolvendo dois carros aconteceu em Campo Grande.

Dono de carro levou 14 anos para restaurar carro e gastou R$ 120 mil.

26 dezembro 2011 - 11h12
G1 MS

O massoterapeuta e tatuador Arnaldo Radeke de Carvalho, 34 anos, perdeu em poucos segundos, 14 anos de trabalho de restauração e R$ 120 mil em investimento. O antigo carro Mercury Cougar 1970, transformado depois de muita pesquisa na Internet, foi avariado na última sexta-feira (23), em acidente no cruzamento das ruas Ceará e Antônio Maria Coelho.

“Pensava em deixar para o meu filho, que também gosta muito de carro, mas agora o sonho acabou, tanto para mim, quanto para ele”, disse ao G1.

O acidente aconteceu por volta das 13 h (horário de MS), envolvendo o carro importado e outro veículo. A parte dianteira do Mercury Cougar e a frente do outro veículo foram danificadas. Ninguém ficou ferido na colisão. Segundo a Companhia de Policiamento de Trânsito da Capital (Ciptran), um dos condutores teria ultrapassado o sinal vermelho. A polícia irá averiguar quem foi responsável pela colisão.

Após o acidente, o tatuador levou o carro para oficina mecânica e o veredicto foi desanimador. “O mecânico já me disse que é praticamente impossível salvar o carro, pois danificou o chassi, que é o esqueleto do carro; raramente vou encontrar isso, sem falar que seria muito, muito caro”.

Investimento
Arnaldo Carvalho comprou o carro quando tinha 19 anos, com investimento inicial de R$ 10 mil, justificado pela admiração pelos modelos clássicos norte-americanos. “O carro não andava, comprei na paixão, não fazia a mínima ideia do quanto gastaria para deixá-lo novo”.

Em 2000, quatro anos depois da compra e depois de algumas reformas, conseguiu dar a primeira volta com o carro. “Foi emocionante, mas ainda faltava muito para fazer”, lembra o tatuador.

Carvalho lembra que a compra de peças era processo lento e de difícil negociação. “Procurei alguns dos outros proprietários de Mercury Cougar no Brasil, mas não quiseram ou não puderam me ajudar”.

O tatuador disse que somente nos últimos três anos a restauração começou a acelerar, depois que conseguiu comprar peças originais por meio de sites americanos. Além do custo da peça, ainda era necessário o desembolso com imposto de importação e frete. Para comprar uma chave de seta, por exemplo, o gasto foi de R$ 500.

Outro gasto considerável foi com a troca do motor. O original estava velho e não teve como recuperar. Carvalho resolveu usar um equipamento novo, avaliado em R$ 20 mil, com injeção direta de combustível.

Pêsames
Em 2010, ou seja, 14 anos depois do início do investimento, o Mercury estava pronto para voltar às ruas. O importado não ficou na garagem, mas foi incorporado ao dia a dia do tatuador, que até viajava com ele. “Eu restaurei o carro para poder andar, não foi para ficar parado só admirando”.

No período em que usou o carro, Carvalho recebeu várias propostas de venda, todas recusadas.
“O carro também era o mascote dos amigos e familiares, todo junto admirava e acompanhou toda esta história; ele tinha um gosto especial não só para mim, mas para outras pessoas também. Após a batida já recebi até os pêsames”, contou ao G1.

Carvalho fala que, mesmo que pudesse recuperar o veículo, não teria mais condições financeiras para fazer o investimento. “Ainda não sei o que fazer, ainda não cai na realidade. Ainda não chorei, mas sei que vou chorar bastante”, desabafa.

Deixe seu Comentário

Leia Também

POLÍCIA
PMA de Dourados prende e autua dois pescadores por pesca e transporte de pescado ilegal
SAÚDE
Linfoma de Hodgkin é um tipo de câncer raro e que tem cura
Tratamento exige quimioterapia intravenosa
CULTURA
Com prêmios de até R$ 8 mil, Festival Universitário da Canção revela novos talentos da música de MS
GERAL
Cães e gatos podem ter vírus da covid-19, mas não transmitem a doença