Menu
Busca quarta, 04 de agosto de 2021

Para acabar com “rixas”, PEC que unifica polícias ganha força em Brasília

Para acabar com “rixas”, PEC que unifica polícias ganha força em Brasília

10 novembro 2011 - 13h30
Campograndenews

A PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 102, que trata da unificação das polícias civil e militar, começa a ganhar força nas discussões no Congresso Nacional. Nesta quarta-feira, o comandante da Polícia Militar em Mato Grosso do Sul, coronel Carlos Alberto Davi dos Santos, participa de reunião com o senador Blairo Maggi (PR/MT) para tratar do assunto.

Vice-presidente do Conselho Nacional dos Comandantes-Gerais de Polícia Militar, Davi afirma que é a favor da PEC, desde que seja para unificar o trabalho das polícias e acabar com “rixas” entre as corporações em todo País.

“Vamos conhecer melhor a proposta. Para os profissionais de segurança e, sobretudo, para os cidadãos, o modelo atual de Polícia já não está atendendo as expectativas”, opina Davi.

“Existem divergências entre Polícia Militar e Polícia Civil, que acabam prejudicando a população”, complementou.

O comandante da PM/MS relata que o senador mato-grossense já ouviu representante nacional da Polícia Civil. Agora, no dia 17 próximo, Davi se reúne com comandantes-gerais da PM em Porto Alegre (RS), onde repassará as deliberações da reunião de hoje.

Ele ainda destaca que qualquer iniciativa para se chegar a um “modelo eficiente” de Segurança Pública é válida. “É preciso sempre buscar melhores condições de trabalho para os integrantes das polícias”, pontuou.

Em fevereiro, durante agenda em Campo Grande, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, admitiu que “rixas” entre policiais militares e civis são comuns em todo País.

O ministro já admitia que apoiava o desenvolvimento de trabalhos criação de escritórios unificados entre as policias Militar, Civil, Federal e com participação de integrantes do Ministério Público e da Justiça em todo País.

A declaração de Cardozo ocorria em meio a uma polêmica resolução, no início do ano, em Mato Grosso do Sul, que modificava ações padrão entre as polícias. Na prática, a PM reclamou que as determinações limitavam a atuação da corporação. Após as queixas, as mudanças acabaram não entrando em prática.

Deixe seu Comentário

Leia Também

CORONAVÍRUS
Mato Grosso do Sul recebe 62.230 doses de vacinas contra Covid-19
POLÍTICA
CPI: Marcelo Blanco diz que negociava vacinas para setor privado
EDUCAÇÃO
Processo seletivo da UEMS 2022 terá vagas para vestibular, Sisu e Enem
ESPORTES
Olimpíada: em treze dias, Brasil soma 15 medalhas, sendo 4 de ouro