Menu
Busca quinta, 13 de maio de 2021

Pastor preso na Operação Voucher paga fiança de R$ 109 mil

23 agosto 2011 - 10h50Por Terra
O pastor Wladimir Furtado conseguiu, por volta das 12h de segunda-feira, reunir os R$ 109 mil da fiança estipulada para que ele deixasse a prisão após ter sido detido como um dos suspeitos de envolvimento em desvios no Ministério do Turismo, na Operação Voucher, da Polícia Federal. Com empréstimos de fiéis, amigos e da família, Furtado cobriu, no horário limite determinado pela Justiça, o cheque sem fundos de que havia se valido para ser libertado no Amapá.

"A sogra fez empréstimo consignado, a cunhada, a esposa, a irmã em Brasília. Com esforço sobre-humano e lançando toda uma família em situação de extremo endividamento, ele conseguiu o aporte para cobrir", disse ao Terra o advogado de Furtado, Maurício Pereira. A defesa do pastor agora tentará, nas palavras de Pereira, "guerrear contra essa ilegalidade", em referência à fiança. Até sexta-feira, Furtado tinha pouco mais de R$ 36 mil, segundo seu defensor.

Segundo Pereira, a decisão do juiz federal Mauro Henrique Vieira deixa todo cidadão "refém do poder Judiciário. Se passar a ser admitido no ordenamento jurídico brasileiro que o decreto de uma prisão sem fundamento precise ser revogado mediante pagamento de uma fiança absurda, estaremos em um Estado policialesco, em que a liberdade passa a ter preço".

O pedido de indenização é uma possibilidade, mas o advogado de Furtado diz que o principal é que a Justiça "reconheça a ilegalidade da fiança e restitua os R$ 109 mil, porque o juiz reconheceu que não havia elementos para manter a prisão preventiva e, mesmo assim, condicionou a liberdade do acusado a prestação de uma fiança absurda. Se ele não paga, o juiz decretaria a prisão. Isso vem a ser uma agressão ao Estado Democrático de Direito". O advogado informou que o recurso junto ao Superior Tribunal de Justiça já tramita.

A defesa havia lamentado, em entrevista ao Terra na sexta-feira, o indeferimento do pedido de redução de fiança, alegando que a Justiça impunha um "estado de miséria" ao cliente. "Infelizmente, trata-se de uma decisão nova que determina que, para uma pessoa ficar em liberdade, ela tem que cair em estado de miséria", disse Pereira.
Dono da Cooperativa de Negócios e Consultoria Turística (Conectur), Furtado chegou a pedir doações de R$ 100 a R$ 1 mil de fiéis e amigos em entrevista concedida a uma emissora de TV do Amapá e cogita vender a única casa que tem para continuar livre.

Pereira nega as acusações de que a Conectur foi usada pelo pastor como uma empresa de fachada para obter convênios milionários com o governo federal. "Ele não tem recursos financeiros nem de onde tirar porque não se apropriou de valores. O dinheiro que foi creditado na conta da Conectur ele prova que foi empregado conforme o convênio. Essas provas foram apresentadas ao Ministério do Turismo, à auditoria do TCU (Tribunal de Contas da União) e, no momento oportuno, serão apresentadas à Justiça", garantiu o advogado ao Terra na segunda-feira.

Operação Voucher

As investigações da Operação Voucher começaram em abril, após um levantamento do Tribunal de Contas da União (TCU) que detectou irregularidades no contrato firmado entre o ministério e o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi).

A Polícia Federal informou que as estimativas são de que dois terços do convênio de R$ 4,4 milhões entre a pasta e a ONG Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável (Ibrasi) tenham sido desviados. A proposta era capacitar 1,9 mil pessoas no Estado do Amapá. Uma das beneficiárias do esquema seria a deputada federal Fátima Pelaes (PMDB-AP), de acordo com três depoimentos de testemunhas à PF. Ela é autora de emenda que destinou R$ 4 milhões para projetos de qualificação profissional na área de turismo no Amapá.

Em nota, a deputada classificou as denúncias como "caluniosas" e garantiu que seus sigilos "bancário, fiscal e telefônico estão à disposição". A assessoria de Fátima informou que "repudia toda e qualquer indicação de seu nome com recebimento de recursos de empresas ou instituições ou qualquer esquema fraudulento".

Deixe seu Comentário

Leia Também

LEI
Faturas poderão divulgar mensagem sobre doação de sangue
PONTA PORÃ
PM prende homem com MP em aberto
ECONOMIA
Trabalhadores nascidos em outubro podem sacar auxílio emergencial
CORONAVÍRUS
Mato Grosso do Sul recebe 21º lote de vacina contra COVID-19 nesta quinta-feira